27 maio 2016

Paolo Sorrentino

Ao receber o Oscar de melhor filme estrangeiro para A Grande Beleza (2013) no palco do Teatro Dolby no Boulevard de Hollywood em Los Angeles, Paolo Sorrentino agradeceu a Maradona em seu discurso, muita gente não sabe o porque desse agradecimento. Em 1986, o Scudetto italiano (como eles chamam o título nacional de futebol), estava sendo decidido pelo sempre poderoso Juventus, La Vecchia Signora, e, inacreditavelmente pelo Napoli, um time que nunca havia estado nessa situação. Naquela rodada o time azul iria visitar o Empoli, e para um torcedor em especial, aquele fim de semana iria mudar sua vida para sempre.

Fã confesso de Federico Fellini, o cineasta Paolo Sorrentino apaixonou-se pelo cinema pelas mãos de um outro gênio italiano, Sergio Leone e seu Era uma Vez na América (1984), mas foi Giuseppe Tornatore, o gênio, desculpa a repetição, quem realmente influenciou e fez com que Sorrentino decidisse seguir carreira no cinema. Ou seja, as melhores referências possíveis.

Nascido em 31 de maio de 1970 em Nápoles, casado com Daniela D'Antonio com quem tem 2 filhos, Paolo Sorrentino nunca frequentou uma escola de cinema, mas tem entre suas paixões sempre rever filmes que lhe marcaram de diretores que idolatra, como os já citados acima, além de Martin Scorsese e Ang Lee. Isso lhe conferiu uma aura de cineasta de decisões rápidas e fértil.

O cineastas dos planos abertos, dos roteiros que vão se elucidando no decorrer da película, de imagens nonsense e ritmo lento ao som de músicas que tocam direto no coração. Sorrentino receberá a mais nova revisita a sua obra aqui no Museu, serão O Jovem Papa (2016)  Juventude (2015), A Grande Beleza (2013),  Aqui é o Meu Lugar (2011), Il Divo (2008) e As Consequências do Amor (2004). 

Aquele final de semana seria como mais um outro, iria com os pais e os irmãos para a casa nas montanhas, se não fosse por um argentino de 1,66m de altura. Naquela época quem amava o futebol, amava o Napoli, e quem era torcedor do Napoli não fazia outra coisa se não acompanhar o time. E foi isso que o jovem Paolo Sorrentino fez, em vez das montanhas viajou para Empoli ver seu time jogar e, enquanto assistia o Napoli enfiar 4 X 0, seus pais, infelizmente, sofriam um terrível acidente com a calefação da casa e morreram.

Um comentário:

Kamila disse...

"Juventude" estreou num cinema aqui de Natal, na Sessão de Arte. Tentarei não perder a oportunidade de conferir o filme!