13 janeiro 2017

O Jovem Papa

The Young Pope - Paolo Sorrentino - 2016 (HBO - Estreia domingo dia 15)

Senhoras e senhores, venho aqui lhes dizer que estamos diante de uma obra-prima.

- Quem é o mais importante dos escritores dos últimos 20 anos? Cuidado, não é o melhor - virtuosismo é para os arrogantes - o mais importante? Alguém que despertou tanta curiosidade mórbida que virou o mais importante.
- Não faço ideia, talvez Philip Roth?
- Não. Salinger. O diretor de cinema mais importante?
- Spielberg
- Não. Kubrick.
- Artista Contemporâneo?
- Jeff Koons...Marina Abramovic.
- Banksy. Banda de música eletrônica?
- Não sei absolutamente nada sobre música eletrônica.
- Daft Punk.
- A melhor vocalista italiana?
- Mina?
- Ahh, Brava! Agora, você sabe dizer qual é a linha invisível que conecta todos eles? As figuras mais importantes em seus respectivos campos? Nenhum deles se deixam ser vistos! Nenhum deles se deixam ser fotografados.

The Young Pope, o jovem órfão norte-americano Lenny Bernardo, ou o Papa Pio XIII, foi eleito depois de um conclave politizado e tenso. A figura de um jovem renovaria a igreja, assim eles pensavam.

Porém Jude Law (O Papa) é um conservador de ideias próprias que pretende revolucionar o sistema e lutar com as armas podres para manter seu poder. E acredite, no Vaticano não é nada diferente do que em outros lugares digamos, menos sagrados.

Em O Poderoso Chefão (1972), Michael Corleone resolve na violência a desconfiança sobre sua ascensão ao poder da famiglia. Em House of Cards (2013) o desconhecido político Frank Underwood usa a chantagem para virar presidente.

O Papa Pio XIII tem o hábito de humilhar seus adversários, mas calma, com esse Papa nada é tão preto no branco, apesar das roupas - das mesmas alfaiatarias do Papa Francisco (leia Armani) - serem extraordinariamente de cores vividas, claro que com a ajuda preciosa do mago das imagens Luca Bigazzi. Com esse Papa tudo é mais denso, profundo. Ele mesmo ensina humilhação num dos episódios:

- Você não faz ideia de quantos objetivos podem ser alcançados humilhando terceiros. Mas há um segredo. O humilhado não pode perceber que foi humilhado.

Rodado em Roma e nos santuários estúdios de Cinecittà, onde foi construída uma réplica da capela sistina, a série é dirigida e roteirizada por Paolo Sorrentino que parece estar, em velocidade de cruzeiro, rumo ao hall dos melhores nomes do cinema. Ou seria o mais importante? Se cuida Kubrick!

Espere tudo que os já encaminhados ao cinema Sorrentiano costumam assistir. Imagens arrebatadoras e surreais, uma seleção musical de elevar a alma, diálogos e frases que fariam Quentin Tarantino ter inveja, e um elenco selecionado a dedo, e quanto a isso gostaria de fazer dois adendos: O primeiro chama-se Javier Cámara, um carismático e bom ator espanhol que está sempre nos filmes de Pedro Almodóvar, e que tem uma adoração por Paolo Sorrentino. Quando soube que ele estava fazendo a série, se ofereceu para um papel. O italiano lhe deu então o de Monsenhor Gutierrez que acredito ficará marcado para sempre em sua carreira. O segundo é David Jude Law, esse importante ator do primeiro escalão de hollywood é pura emoção, seus nuances e suas manias nos tomam de surpresas, suas pausas são perfeitas. É impossível ficar impassível diante de suas interpretações para rirmos ou chorarmos juntos, preparem-se.

Um comentário:

Kamila disse...

Como não tenho HBO, vou aguardar, ansiosamente, a estreia de 'The Young Pope' no catálogo do Netflix.