07 janeiro 2014

Melhores de 2013


Sempre é complicado escolhas de melhores. Baseado em que? Em relação a quais? Houve imparcialidade? Todos foram vistos de modo igualitário? Por isso acho o festival de cannes a melhor forma de premiação. São escolhidos alguns filmes por um selecionado cinéfilo, e depois um júri assiste-os e julga-os juntos.
Esses são as minhas escolhas:
Um filme passado no espaço, com poucas personagens e que faz sucesso? Tem algo ai. Sim, e algo bom, Gravidade de Alfonso Cuaron é a quinta escolha do Museu.
Duas interpretações magistrais, um filme polêmico e de certa forma amaldiçoado, hollywood virou-lhe as costas. O Mestre de Paul Thomas Anderson é o quarto.
Lesbianismo, amor adolescente, um trio que se jogou de corpo e alma num projeto baseado num quadrinho francês. Azul é a cor mais Quente de Abdellatif Kechiche ficou em terceiro.
Briga com a globo, rodado numa cidade nordestina, elenco sem estrelas e que tenta dar identidade a nossa cinematografia. O Som ao Redor de Kleber Mendonça Filho em segundo.
Roma, trilha sonora inesquecível, imagens irretocáveis marcantes e permanentemente gravadas no inconsciente da cinefilia, retorno de ator competente e "esquecido" pelo mainstream (e que é a personalidade do ano homenageada aqui), comparações à La Doce Vita (1960). O grande filme do ano, quiçá da década, o primeiro ficou com A Grande Beleza de Paolo Sorrentino. e Toni Servillo foi a personalidade do ano do cinema.

Um comentário:

Kamila disse...

Muito bom, Cassiano! Ainda não assisti a "Azul é a cor mais quente", "O Som ao redor" e "A Grande Beleza". Espero assistir aos três em breve!