07 janeiro 2012

Melhores 2011

Enfim chegou o dia de escolhermos os melhores filmes do ano que passou. Um ano sem muitas surpresas é verdade, mas que deixou, a meu ver, um legado sem precedentes para a história do cinema. Dito isso, vamos às escolhas:

Em março Juliette Binoche aportou nos cinemas com o drama criativo Cópia Fiel (2010), uma belíssima história de amor filmada de uma maneira original e inovadora.

Logo em janeiro fomos surpreendidos por mais uma obra-prima dos irmãos Coen. Usufruindo do período mais sensacional de suas carreiras, Bravura Indômita (2010) é um filmão que soube envelhecer, aliás como a maioria dos filmes dos cineastas.

Novembro trouxe um garotinho que só queria ser amado pelo pai, e por isso acabou sendo taxado de problemático, mas não espere lágrimas desse drama. O Garoto da Bicicleta (2011) dos irmãos Dardenne, conquistou Cannes e o mundo, e o Museu também.

Já em dezembro, com o ano já para terminar, eis que surge um dos cineastas favoritos desse blog com um filme que agora é também um dos meus favoritos em sua filmografia, A Pele que Habito (2011) recebeu críticas frias em Cannes, mas bastou chegar ao Brasil para reconhecermos que Pedro Almódovar está cada vez melhor.

E no mês que era do desgosto, agosto, surge um espetáculo, uma oração, uma explicação para o que é o cinema, uma ode à vida, a natureza, ao homem. Em agosto o mundo conheceu A Árvore da Vida (2011), e um cineasta que era recluso até agora (tenho razões para acreditar nisso e que voltarei a falar em breve). É ele o homem do cinema do ano, 2011 é todo dele. O gênio de QI elevado, Terrence Malick.

Menções: Pensei em colocar Cisne Negro (2010), é um ótimo filme, mas que não soube envelhecer, ao contrário de Poesia (2010) que provavelmente irei me arrepender de não encaixá-lo na lista, mas que no momento não significou uma obra tão importante. Veremos em 2012. Feliz ano novo!

4 comentários:

Mariana Gatzk disse...

Sempre acho que assisto a muitos filmes. Quando venho aqui, descubro que na verdade ainda me falta muito conteúdo! Dos que você citou, vi apenas Bravura Indômita, que amei tudo!, e Cisne Negro, que não amei tanto. Na verdade, foi uma dúvida entre ódio e amor. Mas, como dizem, odiar também é uma forma de amar, então pode ser que eu também tenho amado! rs
Quero assistir a todos, agora. Obrigada pelas indicações!
FELIZ 2012!!

Kamila disse...

Bela seleção de filmes, Cassiano, a qual reflete seu excelente gosto cinematográfico. Das obras que você destaca, ainda não tive a chance de conferir "O Garoto da Bicicleta". Espero que o filme passe pela minha cidade...

Hugo Leonardo disse...

Faltou citar só o Allen com o seu MEIA-NOITE EM PARIS ...

Museu do Cinema disse...

Obrigado Mariana e Kamila.

Hugo, não gostei de Meia-Noite... e olha que sou fã do Allen, mas acho que esse filme ficou devendo.