14 dezembro 2011

A Pele que Habito

La Piel que Habito – Pedro Almodóvar – 2011 (Cinemas)

EL ARTE ES GARANTIA DE SALUD

Vicente é um jovem espanhol que ajuda sua mãe com as roupas do brechó de sua propriedade. Vicente divide seu tempo entre o trabalho com a mãe, tomar extasy e ir a festas de milionários sem ser convidado, e ainda guarda uma paixão por Cristina, uma funcionária do brechó que é lésbica.

AS COISAS QUE O AMOR DE UM HOMEM LOUCO PODE FAZER

Marca, segundo o dicionário, significa um selo, um carimbo, sinal num objeto que o faz ser reconhecido. A Pele que Habito, adaptação do livro Tarântula de Thierry Jonquet, apesar de não ser um texto original do cineasta, fato raro em sua carreira, contém, em cada frame, a grife que tanto reverenciamos.

Pedro Almodóvar Caballero é um diretor singular. Além de possuir uma caligrafia reconhecida, é dono de um método só seu de contar uma trágica história, e que apesar de trágica, é cheia de arte, amor e beleza, e também, porque não? Humor.

2 comentários:

Kamila disse...

Concordo plenamente quando você diz que, neste filme, tem tudo aquilo que faz de Almodóvar uma grife que reverenciamos. Só acho que isso nos é apresentado de uma forma completamente diferente da qual estamos acostumados nos filmes dele.

Acho a sequência final, desde já, a minha favorita no cinema em 2011. Cena belíssima!!

Museu do Cinema disse...

É por ai mesmo Kamila.

Já na sequencia fico com a (se vc não viu não leia) revelação de que Vicente é Vera, qdo Almodóvar só precisa fazer o corte e mostrar os olhos das personagens, GENIAL.