29 novembro 2007

François Ozón

François Ozón

Nascido em Paris, em 15 de novembro de 1967, é um escritor e cineasta francês. Obteve reconhecimento internacional pelos seus filmes 8 Mulheres (2002) e Swimming Pool – A Beira da Piscina (2003). Dois espetáculos de filme.

François Ozón é considerado como um dos mais importantes jovens realizadores na categoria "New Wave" do cinema francês. Em 1990, já depois de se tornar mestre em cinema pela Universidade de Paris, François Ozón ingressou na conceituada escola francesa de cinema La Femis, uma espécie de actors studio francês. A partir dai Ozón realizou diversos curtas metragens em super-8, 16mm e 35mm, tais como Une robe d'été (1996) e Scènes de lit (1998) que já refletiam o seu estilo particular.

A sua estreia em longas metragens foi com a comédia Sitcom (1998), que foi um sucesso de crítica e público, e entrou em competição na La Semaine Internationale de la critique, no Festival de Cannes de 1998. Após a adaptação da obra Gotas de água em Pedras Escaldantes (2000) de Werner Fassbinder – seu cineasta favorito, veio o filme que o tornou conhecido no mundo, 8 Mulheres (2002) que conta com um elenco notável de belas estrelas francesas como Catherine Deneuve, Fanny Ardant, Isabelle Huppert, Virginie Ledoyen e Emmanuelle Béart, além de Ludivine Sagnier, ainda garota. O filme é um musical, com uma sucessão de números inspirado nos melhores musicais dos anos 50 de Hollywood.

Um ano depois com Swimming Pool (2003), estrelado por Charlotte Rampling e Ludivine Sagnier, François Ozón passou ao status de cineasta de respeito. Essa película foi considerada por Ozón como sendo seu filme mais pessoal, e que dá a visão do difícil processo de criação de um argumento cinematográfico.

De sua obra, logo de cara percebe-se a preocupação estética e de roteiro. Sem recorrer a mudanças de câmera inusitadas, seus filmes são caracterizados por uma veia satírica e um sopro de sexualidade constante.

Farão parte da revisita a obra do cineasta os filmes: Sob a Areia (2000), 8 Mulheres (2002), Swimming Pool (2003), Amor em 5 Tempos (2004), O Tempo que Resta (2005),  Angel (2007), Ricky (2009), O Refúgio (2009), Potiche (2010) e Dentro da Casa (2012).

13 comentários:

Vulgo Dudu disse...

Eu não gostei de "Swimming pool". Achei o roteiro muito fraco e a direção pretensiosa demais... A única coisa que vale no filme são os takes de Ludivine Sagnier tomando sol. Só... Aliás, o que já é muita coisa... hahahaha!

Abs!

Rogerio disse...

Poxa, minha ignorancia nao conhecia esse cineasta. Vou aguardar os posts pra pegar esses filmes.
Abs.

Ramon Scheidemantel disse...

Só conheço o Swimmingo Pool. Eu adorei o trabalho do diretor. Ele dei um tom bastante empolgante e artístico. Só tenho ressalvos ao roteiro: Achei o final meio frustrante. Ficou parecendo suspense B.
Mas tudo bem, nada que estrague a obra. Quando tiver oportunidade irei conferir esses outros filmes.
Belo post!

Museu do Cinema disse...

Dudu, é sério??? Direção pretenciosa e roteiro fraco são duas coisas que o filme não tem mesmo.

Rogério, espero que possa contribuir para seu conhecimento desse cineasta.

Ramon, eu adorei o final, mas só gostei mesmo da segunda vez que assisti, talvez ele dê essa cara mesmo, mas da segunda vez achei brilhante, principalmente pq acompanhei minuciosamente cada detalhe da pelicula, mas vamos voltar a esse debate no post do filme. Abs

Vulgo Dudu disse...

Cara, super sério... hahahaha... Achei péssimo, péssimo mesmo. Na minha opinião (atenção, minha opinião), o roteiro é muito fraco. Uma história boboca, mal contada e carregada por um certo provincianismo que acho típico do atual cinema francês. Acho até meio constrangedor aquelas cenas com a escritora que eram pra ser lascivas, ou demonstrar umc erto erotismo... Inclusive, o erotismo no cinema francês atual, de novo, na mionha opinião, é extremamente provinciano (repetindo o adjetivo que usei ali em cima).

De fato, os takes da piscina são excelentes. Mas se isso só bastasse, nem precisava fazer um filme: bastaria produzir um ensaio fotográfico. Prova disso é a foto que você escolheu, que não se movimenta e é linda!

Escrevi demais! hahaha.. Abs!!

PS: me passa seu MSN que a gente troca mais prosa

Wiliam Domingos disse...

Não vi nenhum filme do cineasta ainda...mas já o conhecia pelo nome!
Quero muito ver 8 Mulheres, o qual também já conhecia!

Cara, você está na comuna dos blogueiros cinéfilos né!?
Bom...se não estiver, dê uma olhada:
http://www.orkut.com/Community.aspx?cmm=34327998

Está ótima...boas discussões e ótimos críticos presentes, rsrsrs!
Dê uma força lá!
Abraço!

Vinícius P. disse...

O único filme que já vi dele foi "O Tempo que Resta" e gostei muito - tanto que fez parte da lista de fitas estrangeiras do ano passado que mais gostei. Quero muito ver "Swimming Pool" (que já vi em DVD por aqui, mas nunca peguei), "8 Mulheres" e "5x2". Ah, não sei por que esse diretor não é tão reconhecido, afinal dizem estar entre os melhores cineastas franceses da atualidade.

Kamila disse...

Só assisti aos dois filmes mais conhecidos do François Ozon, mas o acho um diretor interessante. Gosto da maneira como ele direciona o olhar às suas personagens.

Quero muito assistir "Angel", até porque o Ozon fala tão bem desse filme, que eu estou super curiosa para conferir o que é que ele tem de tão legal!! :-)

Museu do Cinema disse...

Dudu, apesar de não concordar com uma palavra sua, tenho que reconhecer que sua crítica foi fundamentada. Porém acho que mais pelo seu talento com as palavras, do que pelo filme. Meu msn é o museudocinema@hotmail.com, mas uso pouco. Será um prazer!

Wiliam, infelizmente não sei usar o orkut.

Vinicius, valeu pela concordância no texto.

Kamila, legal que vc tb gosta do cineasta, espero que curta a retrospectiva.

Otavio Almeida disse...

Cassiano, ainda não vi nenhum filme desse diretor...

Otavio Almeida disse...

Cassiano, ainda não vi nenhum filme desse diretor...

Museu do Cinema disse...

Então és um virgem do cinema do Ozón Otávio?

Bom, se posso recomenda-lo, comece pelo Swimming Pool, e não perca Amor em 5 Tempos.

frederico disse...

Vulgo Dudu,
"Inteligentíssima" sua fundamentação: afinal, aos citadinos o céu; aos provincianos, o inferno.
Qto ao fato de vc não ter gostado do roteiro, isto me é bem compreensível: os roteiros mais abstratos típicos do cinema francês são menos acessíveis de fato. Por outro lado, roteiros plenos de ações e imagens fantásticas típicos do cinema americano em geral são bem mais populares.
Não se preocupe, sua opinião é bem típica.
Saudações,
Frederico