21 março 2017

Silêncio

Silence - Martin Scorsese - 2016 (Cinemas)

Há uma história muito interessante sobre o tempo do Daiata Furud lá. Ele tinha quatro concubinas. Quatro. Todas eram muito belas, mas elas...Houve um tempo, em que as concubinas estavam com ciúmes, e lutaram e lutaram sem parar, por isso ele tirou-as do castelo. E a paz voltou de novo à sua vida.

Talvez o projeto mais pessoal do tarimbado Martin Scorsese, a adaptação do livro homônimo do japonês Shûsaku Endô se tornou uma odisseia na vida do renomado cineasta. O resultado, contra todas as expectativas e principalmente um estúdio em constante briga com o diretor, é uma belíssima história de fé, de cultura e de religião.

Intrigados com a apostasia, a renúncia aos votos religiosos do Padre jesuíta Ferreira (Liam Neeson) que partiu ao Japão para propagar o catolicismo no mundo oriental, dois de seus discípulos, Padre Rodrigues (Andrew Garfield - brilhante) e Garupe (Adam Driver) partem atrás dele e decidem continuar a levar sua religião a terra distantes, mesmo diante do pessimismo de seus superiores e cartas relatando torturas.

Scorsese capta com a sensibilidade que lhe é peculiar e os anos de trabalho doados à sétima arte, não só como cineasta, mas também como guardião de filmes, e faz um filme histórico do ponto de vista humano, e belíssimo, do ponto de vista cinematográfico. Sua câmera passeia pela história verídica do livro de 1966 do católico japonês Shûsaku Endô (hoje menos de 1% da população nipônica é católica) e nos entrega uma obra-prima sem retoques. Em tempos de opiniões tão antagônicas e extremadas, o velho Scorsa mais uma vez nos dá lição sem precisar fazê-lo.

3 comentários:

Kamila Azevedo disse...

Gostei muito de "Silêncio". É uma obra muito bonita sobre a relação íntima do homem com a sua própria fé. Nos mostra que o silêncio também é uma forma de prece, de fé, de relacionamento com Deus. Uma pena que tenha sido esnobado na temporada de premiações passada. Andrew Garfield deveria ter sido indicado ao Oscar de Melhor Ator por esse filme, e quiçá vencido!

Cleber Eldridge disse...

Eu ainda tenho alguma expectativa (fora a duração), vou aproveitar que ainda está em cartaz por aqui e tentar assistir amanhã.

http://20th-centurycinema.blogspot.com.br/

Camila Navarro disse...

Silêncio é justamente sobre o peso dessa convicção, sobre o questionamento do que viria a ser essa doação para a glória do Senhor. Liam Neeson foi meu favorito do filme, lembro dos seus papeis iniciais, em comparação com os seus filmes atuais, e vejo muita evolução, mostra personagens com maior seguridade e que enchem de emoções ao expectador. Eu amo os filmes com Liam Neeson e desfrutei muito sua atuação neste filme 7 Minutos Depois da Meia Noite cuida todos os detalhes e como resultado é uma grande produção e muito bom elenco.