09 março 2012

A Invenção de Hugo Cabret

Hugo – Martin Scorsese – 2011 (Cinemas)

EXT. DIA. SET DE FILMAGEM DE VIAGEM A LUA.
Se você já imaginou de onde vêm os sonhos, dê uma olhada ao seu redor... aqui é onde eles são feitos.

Tudo em Hugo lembra o cineasta Martin Scorsese, restaurações de filmes – Scorsa é reconhecido por seu trabalho nessa área – lembranças de velhos diretores que ajudaram a formatar o cinema como o conhecemos hoje, e claro a magia e o espetáculo do cinema. Só faltou uma coisa para Hugo, ser lembrado como um filme do cineasta.

Hugo é uma ode aos primórdios do cinema, a partir da invenção dos franceses Lumière. É riquíssimo em detalhes cinematográficos, e tem uma perfeita combinação com a literatura, mas não tem como sair da sala de exibição sem a sensação de ter visto um filme de Steven Spielberg.

Spielberg aliás que é colega de Martin Scorsese no que chamo de síndrome do Oscar. Inspirado na síndrome de Estocolmo, quando vítimas de seqüestro desenvolve simpatia pelo seu captor, acredito que os dois cineastas que tanto fizeram filmes para ganhar a estatueta e foram repetidamente ignorados até chegar a conquista, hoje só se aventuram pensando no seu algoz dourado.

Enfim, Hugo é uma filmão, que carece da assinatura de seu principal nome, Martin.

Um comentário:

Kamila disse...

Pois é! Tudo em "Hugo" lembra esse lado entusiasta do cinema do Scorsese. Se tivesse sido dirigido por Spielberg, seria um filme com um lado mais fantástico, acho. A fantasia não é muito o território do Scorsese. Ele gosta mais do realismo. Eu só não concordo que tudo que eles fazem visa o Oscar... Pode parecer inocência minha, mas eu acho que os profissionais de cinema nunca fazem um filme pensando "vou ganhar um Oscar por isso". E, quando pensam isso, nunca dá certo...