21 outubro 2008

Anjos Exterminadores

Les Anges Exterminateurs – Jean-Claude Brisseau – 2006 (DVD)

Numa das partes mais provocantes de Anjos Exterminadores, Julie (Lise Bellynck) faz um teste para o elenco do próximo filme sobre tabus sexuais femininos do diretor documentarista François (Frédéric van den Driessche). A cena é uma masturbação, e Julie parece levar a sério à interpretação, no final, a cara do cineasta parece desaprovar a performance, ao que a atriz pede permissão para usar um acessório para tornar o ensaio ainda mais real.

Brisseau usa o sexo, em especial o corpo feminino, para explorar temas como poder, hipocrisia e violência, em paralelo, a personagem de François usa o sexo, em especial o lesbianismo, para explorar tabus femininos, como masturbação, bissexualidade e orgasmo. Enquanto Brisseau sabe exatamente onde quer chegar, François não tem a menor idéia. François acha que tem o poder nas mãos, e explora sentimentos reais numa câmera ficcional. Brisseau tem o poder nas mãos, e explora o espectador com suas imagens encenadas.

Professor da famosa e renomada La Fémis, Jean-Claude Brisseau foi sentenciado há 1 ano de prisão por assédio sexual a duas atrizes durante a pré-produção de Coisas Secretas (2002). Acabou pagando fiança de 15 mil euros. Segundo as atrizes o diretor as obrigou a se masturbar diante dele para escolha do elenco. Anjos Exterminadores traz muito dessa biografia, e segura-se nas interpretações das três atrizes principais, Lise Bellynck, Maroussia Dubreuil e Marie Allan.

A discussão proposta por Brisseau versa sobre essa fase de sua vida, obviamente que ele se põe como vítima, mas nem por isso deixa de lado o seu papel manipulador diante de sentimentos reais. Uma questão polêmica, como sempre o sexo o é. O título faz referência a duas anjas que atuam como espectadoras ativas da trama.

8 comentários:

Kamila disse...

Gosto de filmes baseados em experiências pessoais! Não sabia de nenhum caso de alguém que tenha ficado preso por assédio sexual e acho que, fazer o filme, deve ter sido uma forma que o diretor encontrou de, com o perdão do trocadilho, exterminar este assunto de vez!

Denis Torres disse...

E que anjas!!! rsrs

Alex Gonçalves disse...

Cassiano, eu tenho uma cópia deste filme em casa e quase não conheci o ano de 2008 (minha mãe pegou o filme da minha prateleira na véspera de ano novo e quase me matou, já que estava boa parte da família na sala - azar o dela!).

Fiquei sabendo dessa polêmica que aconteceu há alguns anos com o diretor e é este o motivo que me faz ter vontade de ver "Anjos Exterminadores".

Vinícius P. disse...

Que interessante, ainda não conhecia esse filme e fiquei bem curioso após seu texto. Gosto desses filmes "estrangeiros" ousados e "Anjos Exterminadores" parece ser exatamente isso.

Rogerio disse...

Eu vi o filme esses tempos, mas nem sabia desse rolo com o diretor.
O filme é bem provocante e obsessivo, bem no estilao europeu.Teu texto expoe bem a msg do filme mas nao achei essa msg tao forte assim,ou talvez nao entendi, sei lá... já a picardia das cenas , uauuuu

Sérgio Déda disse...

Parece ser muito interessante, não tinha ouvido muito a respeito...

vlws

Museu do Cinema disse...

Denis, as moçoilas não são as anjas do título.

Alex, tá perdendo tempo!

Rogério, o filme é forte sim, mas cada um vê onde ele é forte.

Ramon disse...

Nossa! A sinopse é tal qual o relato da história acontecida. Preciso conferir essa obra.
Meu pedido em relação ao Alphaville vale para esse filme também.

Abs!