05 dezembro 2012

(fdp)

(fdp) – Kátia Lund – 2012 (HBO)

Eu tenho como roubar um jogo sem ninguém perceber.

Depois do escândalo do árbitro Edilson Pereira de Carvalho em 2005, ficou suspenso no ar uma nuvem de interrogações e suspeição sobre o futebol nacional, a verdade é que de lá para cá nada mudou, continua a coisa sendo feita amadoristicamente, e os apitadores os mesmos.

A série da HBO foca suas lentes sob essas pessoas que escolhem seguir esse caminho, em especial no famoso Juarez Gomes da Silva (Eucir de Souza) que passa por uma conturbada separação da sua esposa Manuela (Cyntia Falabella – irmã da global Débora), e seu relacionamento com o filho, os companheiros bandeirinhas, sua mãe e o namorado argentino.

Ao final da primeira temporada, a série parece sentir que as polêmicas dentro das 4 linhas, que acabam passando para os gabinetes dos cartolas, é que darão assunto para mais pano para manga. Só o fato de estarmos falando sobre isso, uma caixa preta do futebol brasileiro, já é um avanço bem vindo, mas (fdp) vai além, suas histórias mostram, para o mais crédulo torcedor, como as coisas funcionam nesse Brasil da população do jeitinho.

3 comentários:

Victor Nassar disse...

Assisti a temporada toda. Mas confesso que o fato de me interessar pelo tema em si fez muita diferença. A intenção é ótima, a discussão sobre os bastidores corruptos do futebol é válida. Mas (fdp) tem sérios problemas, que por vezes beiram o amadorismo.

O roteiro tem uma pincelada boa de alguns temas, mas no geral é extremamente raso, com diálogos e situações até vergonhosas. À princípio, parece que falta uma mão mais acostumada a séries. O Torero entende de futebol, mas na construção do todo em si, dos relacionamentos, personagens e "causos", vejo um amontoado de clichês.

Enfim, como você disse, (fdp) tem um papel importante de colocar em pauta o universo falso da cartolagem brasileira. Espero também que a série siga o caminho mais das 4 linhas. É um passo a frente termos uma produção futebolística e que sirva para abrir a mente aqui. Digamos que seja só um coletivo, que ainda está testando possibilidades para uma partida oficial.

Museu do Cinema disse...

Concordo em parte Victor, acho que realmente a série vem melhorando com o tempo, talvez vc tenha razão qdo comentou q falta uma mão mais acostumada a séries.

Kamila disse...

Poxa, perdi essa série.... Será que reprisa na HBO?? A Kátia Lund é uma baita diretora, que foi muito esquecida pelo que fez, especialmente, em "Cidade de Deus"...