19 fevereiro 2010

Diálogos: A Fita Branca

Essa é uma outra cena crucial do filme, a facilidade de Michael Haneke em escrever diálogos tão pesados, mas tão verdadeiros, impressiona. Talvez seja um dos momentos mais importantes porque virou capa do pôster do filme, belíssimo por sinal. O choro do adolescente pode até parecer comédia, mas o resultado, principalmente na vida adulta, não tem nada de engraçado.

Escrito por Michael HanekeA Fita Branca – ALE (2009)

INT. ESCRITÓRIO DO PASTOR. DIA.

- ...sua mãe e eu ficamos muito preocupados com você. Pense bem. Você dormiu mal? Está muito cansado?
- Não
- Tem problemas na escola que eu não saiba?
- Não pai.
- Você não entende porque nos preocupamos. Vou lhe explicar. Como sabe, também sou o Pastor em Birkenbrunn. Um dia, uma mãe veio me ver, com um filho que tinha a mesma idade que você, e os mesmos sintomas que você vem mostrando ultimamente. O garoto, de repente, apareceu extremamente fatigado. Seus olhos tinham olheiras, estava deprimido e sem alegria. Ele evitava olhar seus pais nos olhos, e logo, ele também caiu doente. Isso continuou por meio ano. Então, tudo aconteceu muito depressa. Ele perdeu o apetite, não conseguia mais dormir, suas mãos começaram a tremer, sua memória começou a falhar, seu rosto se encheu de pústulas, e depois o corpo todo. Finalmente, ele morreu. O corpo, que eu havia abençoado, parecia o de um homem velho. Entende agora por que me preocupo? O que acha que causou aquelas mudanças que levaram o garoto a ter um fim tão miserável?
- Não sei.
- Acho que você sabe muito bem. Não vai me dizer? Não? Então vou lhe dar a resposta. O garoto tinha visto alguém, que danificou os mais delicados nervos do seu corpo, na área onde Deus levantou sagradas barreiras. O garoto repetia esse gesto. Ele não conseguia parar mais. No final, ele destruiu todos os seus nervos e morreu disso. Só quero ajudar você. Eu amo você com todo meu coração. Seja sincero, Martin. Porque ficou ruborizado ao ouvir a história do pobre garoto?
- Ruborizado? Não sei. Senti pena dele.
- Só isso? Acho que existe um outro motivo. Está escrito no seu rosto. Seja sincero, Martin! Por que está chorando? Devo poupa-lo de uma confissão? Você tem feito a mesma coisa que aquele pobre coitado?
- Sim.

4 comentários:

Cristiano Contreiras disse...

Já li inúmeras resenhas, estou ansioso pra ver este filme.

Abraço

* Uma pena meu blog não estar aqui no hall de blogs amigos..

cinefilapornatureza disse...

Tô com tanta vontade de ver este filme!

Fotograma Digital disse...

Essa cena talvez define o cerne de toda a questão de Fita Branca. Simplesmente monumental.

Museu do Cinema disse...

Realmente ele é um dialogo central. Monumental é uma boa palavra para defini-lo.