13 agosto 2009

Mulher Nota 1000

Weird Science – John Hugues – 1985 (DVD)

INT. GINÁSIO DO COLÉGIO SHERMER.
Ao som de Mozart, aquela mesma da abertura de 2001 – Uma Odisséia no Espaço (1968), vemos dois tênis de basquete sujos com meias brancas. A câmera sobe lentamente a partir dos sapatos, passando pelas canelas finas, até chegar ao rosto de dois adolescentes, completamente embasbacados. A câmera então passeia pelo grupo de garotas se exercitando com desenvoltura e roupas mínimas. Só se vê meninas dentro do ginásio, algumas praticam salto, outras correm, e duas delas conversam. Eles começam a conversar imaginando um banho com elas, e uma festa-orgia. Enquanto isso dois outros adolescentes são vistos atrás deles ouvindo e se divertindo com o alucinógeno papo, mas a intenção deles logo é notada. Eles abaixam os shorts dos dois e saem gritando e chamando a atenção de todas as garotas do ginásio. Silêncio total. A cena não poderia ser mais pitoresca, dois adolescentes babões de short arriado na canela vendo um monte de meninas de lycra. Melhor não falar mais nada.

Depois deste início, os dois amigos adolescente, e protagonistas do filme, Gary (Anthony Michael Hall) e Wyatt (Ilan Mitchell-Smith), assistem ao clássico A Noiva de Frankenstein (1935), quando tem a idéia de inventarem uma mulher para ajudar-lhes no maior problema, justamente, mulher. Tímidos e excluídos, eles passam pela fase da descoberta do sexo oposto, masturbação, desejo sexual e hormônios em erupção. Para piorar eles tem pais caretas, e Wyatt um irmão psicopata e extorquista, Chet (Bill Paxton).

Lisa (Kelly LeBrock – a Monica Bellucci, sem o charme desta, dos anos 80) é a babá que todo adolescente tímido deveria ter. Ela ensina a beijar e ainda faz média para as colegas de escola, além de ter o poder de criar um Porshe e uma Ferrari. Ou seja, ela é perfeita.

Por trás de toda essa fábula frankensteiniana está a inquietação do adolescente em ser aceito pela sociedade. E Hugues consegue criar uma ficção tão real que cai como luva para qualquer pessoa que passou ou passa por essa fase, todos nós. John Hugues escreveu o roteiro em 2 dias, e em pouco mais de 1 hora e meia ele finalizou o filme, o levando as lágrimas.

● Reparem num Robert Downey Jr. novinho perseguindo nossos heróis.

● A música Weird Science composta pelo Oingo Boingo, do compositor de cinema Danny Elfman, catapultou a banda ao sucesso.

● A película deu origem a uma série de televisão que foi ao ar nos Estados Unidos em 1994 a 1997.

● Além de usar a trilha de 2001, Hugues também homenageia Rocky (1976) com a famosa trilha composta por Bill Conti.
● O nome da personagem de Kelly LeBrock foi inspirado no primeiro computador da Apple, the Apple Lisa.

7 comentários:

Ramon disse...

Ah, sensacional!
Esse filme foi muito marcante pra mim. Assistia na Sessão da Tarde quando tinha a idade em que esse tipo de história era mesmo um sonho. Etâ coisa boa de lembrar!

Abs!

Kau Oliveira disse...

Eu adoro esse filme. Recentemente passou am algum Telecine e eu revi. Muito legal!

Abs!

T-Brasil disse...

Já que o assunto em questão favorece, porque não?

Eu trabalho na T-Brasil uma empresa que vende camisetas divertidas pela internet. Por causa do Festival de Cinema de Gramado nós resolvemos entrar no espírito da celebração e criar uma promoção.

Separamos as nossas camisetas sobre o cinema. Elas vão desde Marilyn a William Wallace. Tem para todos os gostos.

A primeira pessoa que comprar uma dessas camisetas, ganha um ingresso de cinema para o filme que escolher.

Confiram o nosso link da promoção e vejam os nossos indicados: http://migre.me/54L2

Espero vocês lá :)

Kamila disse...

Assisti a este filme há muito tempo. Tenho que revê-lo, até mesmo para me recordar dele.

cinevita disse...

Ótimo post! Sou fã do Hugues, mas deste filme eu não conhecia. Vou à procura.

Museu do Cinema disse...

Vlw pessoal!

Srta. Scarpin disse...

Mulher nota 1000 é um clássico!!! Um dos meus favoritos. Não via a hora da sessão da tarde novamente. Parabéns pelo blog e post! ;D