24 março 2009

A Troca

Changeling – Clint Eastwood – 2008 (Cinemas)

Nunca comece uma briga, mas sempre termine com ela.

O escritor J. Michael Straczynski ficou atônito quando ouviu a história real de Christine Collins, prestes a ser destruída juntamente a outros documentos. Em 11 dias ele escreveu o roteiro baseado no calhamaço de papéis sobre o caso. O filme seria mais um daqueles que revelam injustiças inimagináveis se não fosse à presença de uma pessoa.

Clint Eastwood não tem uma grife, uma caligrafia cinematográfica que o identifique imediatamente ao projetar o primeiro frame. Para ele o que importa é a história, seus desdobramentos, e para isso ele prefere se adaptar a cada produção singularmente, não a história se adaptar a sua genialidade.

Eu discordo um pouco dessa teoria, para mim Clint tem sim uma marca, é o silêncio, ou o pouco barulho. Músico, ele sabe o poder do silêncio, da falta de ruído e principalmente de ouvirmos algo cristalino.

E assim ele nos conta a história de Christine Collins (Angelina Jolie), mãe zelosa numa Los Angeles dos anos 20, cercada de corrupção policial, que vê sua vida ruir com o sumiço do filho.

10 comentários:

- cleber . disse...

Este é uma das obras do ano que menos gostei, por ser irritante deemais, desperdicio de Clint!

Ramon disse...

Comedidos os comentários, mas concordo sobre o que você falou do Clint. Consigo distinguir bem a sua impressão digital nos filmes.

Apesar disso, acho A Troca um trabalho menor dele.

Abs!

Caio disse...

A Troca não é menor coisa nehuma, até porque nada que ele faça é 'menor'.

É o único classudo de Hollywood que consegue fazer drama de verdade. Um dos melhores do ano também!

Como Cannes justificou em seu prêmio especial desse ano para ele, a perfeita união/transição do cinema clássico e contemporâneo.

Pedro Henrique disse...

Um dos melhores textos que eu já li aqui, Cassiano. Concordo com tudo. Filmaço!

Museu do Cinema disse...

Obrigado Pedro.

Rogerio disse...

A Troca tem um defeito de falta de climax, que aborrece.
Mas pra mim, a Jolie tem seu melhor papel da carreira.

Museu do Cinema disse...

Rogerio, não entendi essa falta de climax!

Kamila disse...

"A Troca" é um filme perfeito do ponto de vista técnico, mas que tem um sério problema: a duração excessiva. Várias cenas ali poderiam ter sido cortadas sem prejudicar o andamento da história.

moviesearch disse...

Amei o filme! Outra obra cinematográfica de Eastwood.
Ela está fenomenál no filme mas continuo a preferir Kate Winslet para o óscar.

Kath disse...

Vi a Troca, gostei, achei bom, mas realmente não me emplacou, como os filmes dele geralmente me emplacam. Mas, se pensarmos que foram dois filmes lançados no mesmo ano, e que ele não faz filmes nas coxas, acho que vale respeito.
Mas eu concordo muito com você, o silêncio em seus filmes é uma marca, dá para sentir com quem estamos lidando.