04 março 2009

Bernard e Doris

Bernard and Doris – Bob Balaban – 2007 (DVD e HBO)

Lançado diretamente na TV pelo canal da HBO, o filme conta a história real da bilionária Doris Duke, única herdeira do magnata do tabaco e da energia elétrica James Buchanan Duke. É centrado já na sua vida adulta e solteira - Doris fora casada por duas vezes, e no seu relacionamento com o mordomo homossexual Bernard. A sempre talentosa Susan Sarandon interpreta a bilionária, e o sempre frio Ralph Fiennes dá vida ao empregado.

É o segundo filme que narra a controversa história de Doris, antes veio Rica Demais – A Vida Secreta de Doris Duke (1999), com Lauren Bacall e Richard Chamberlain nos papéis principais, também produzido para a televisão.

Um aspecto me incomodou na produção, ao retratar a protagonista, uma pessoa difícil e mimada, excluíram uma importante passagem de sua vida, a mais polêmica com certeza, foi quando Doris e seu decorador, Eduardo Tirella, foram para sua propriedade em Rough Point, na entrada da mansão Eduardo saltou do carro para abrir o portão manual, Doris tomou o volante para atravessar e acabou atropelando o decorador e o levando até o encontro de uma árvore, esmagando e matando-o instantaneamente, Doris foi internada com arranhões no rosto e em estado de choque, a polícia encerrou o caso como infeliz acidente, e o policial responsável se aposentou cinco meses depois, após prestar serviços por 40 anos.

A indicação dessa película foi feita pelo blog Cinéfila por Natureza, que também fez uma resenha do longa.

10 comentários:

Kau Oliveira disse...

Cassiano, concordo com você. Vejo vários furos no roteiro, como a falta de uma exposição do passado da protagonista. Entretanto, adoro as atuações de Susan (atriz que eu amo) e Fiennes (foi o ano dele, não?).

Abs!

Denis Torres disse...

Cassiano, a tal da "Copa Madonna" só existe na sua cabeça de mau perdedor:

http://oglobo.globo.com/esportes/mat/2009/03/04/marco-polo-del-nero-punido-por-90-dias-pelo-stjd-754690967.asp

Ou seja, antes de falar besteira, pense melhor!

Museu do Cinema disse...

Denis?, continue sendo esse idiota, eu só me pergunto o porquê de você sempre desenterrar isso, já que você mesmo diz que não existe Copa Madonna. Vc é um iludido, só me resta ter pena!

A verdade é uma só, assim como o título do Corinthians foi na marmelada, a Copa Madonna provou que os Bambis tb tem a sua! E o pior nem precisavam disso. Agora enxerga quem quer.

Denis Torres disse...

Enfim, a justiça foi feita e não acabou em pizza, pois o São Paulo não é um grêmio da vida, com seus Tchecos chorões. O presidente foi suspenso e a própria Federação paulista multada! Quer mais do que isso? Quem reproduziu aquele texto irresponsável foi vc, seu babaca. Você é tão iludido que não consegue enxergar a verdade nem se esfregassem na sua cara. Precisa ser homem para pedir desculpas e admitir certos erros, coisa que vc passa longe.

Museu do Cinema disse...

Denis, homem?

Vinícius P. disse...

Não chega a ser um excelente filme, mas encanta principalmente pela atuação da dupla de protagonistas, ambos muito bem!

Kamila disse...

Obrigada pelo link, Cassiano! Mas, vou discordar de você num ponto. Acho até que nem era necessário, para o telefilme, citar esta passagem que você destaca no penúltimo parágrafo de seu texto, uma vez que o objetivo da obra era mostrar o relacionamento que foi formado por Bernard e Doris, a ponto de ela deixar toda a fortuna dela para ele, numa decisão que muitos contestam até hoje.

Museu do Cinema disse...

Sim Kamila, eu concordo e disse isso no texto, o filme prefere narrar o relacionamento deles, porém, mesmo assim, era um incidente bastante anormal que nenhuma biografia deve colocar de fora, pelo bem dos espectadores, ou então ficamos nos sentindo enganados!

Museu do Cinema disse...

Vou ser mais claro Kamila, por exemplo Frost/Nixon, o filme não é uma biografia, e nem discute isso, ao contrário de Bernard e Doris, a pelicula começa fazendo uma biografia dela, e em nenhum momento se nega a isso.

Kamila disse...

Entendi seu raciocínio, Cassiano. Mas, ainda acho que o filme cumpre seu objetivo de retratar o relacionamento entre Bernard e Doris.