07 janeiro 2009

Melhores 2008

Finalizando 2008, temos os 5 melhores filmes. Sempre acho complicado escolher as películas, mas essas foram as que mais me agradou em todos os quesitos, direção, atuações e roteiro, principalmente. Como piores, esse ano foi um bom ano, pelo menos para mim, na maioria das lsitas que vi por ai, eu não assisti nenhum filme, mas vou escolher dois que vi de ousado, Batman - Cavaleiro das Trevas e Speed Racer. Dois filmes-clichês que estão bombando nas casas de apostas dos críticos mais especializados. Como primeiro melhor filme de 2008, obviamente, Sangue Negro. Na segunda posição Ensaio sobre a Cegueira, terceiro Gomorra, em quarto Vicky Cristina Barcelona e por último a ótima surpresa Zona do Crime.

19 comentários:

Vinícius P. disse...

Só não concordo que "Speed Racer" seja um dos mais queridos do ano (é forte candidato ao Framboesa, aliás), mas gostei da lista de melhores - sendo "Sangue Negro" obviamente o melhor. E bom ver "Zona do Crime" aqui, é um dos meus favoritos também.

Pedro Henrique disse...

Sangue Negro e Vicky também entram na minha lista!!!

Está gostando das contratações do tricolor?

Museu do Cinema disse...

Vinicius, veja aqui:

Ainda da França a mais pop "Les Inrockuptibles" também fez a sua:

"Two Lovers" (James Gray)
"My Magic" (Eric Khoo)
"Woman on the Beach" (Hong Sang-soo)
"Um Conto de Natal" (Arnaud Desplechin)
"Viagem a Darjeeling" (Wes Anderson)
"Onde os Fracos Não Têm Vez" (Joel & Ethan Coen)
"Speed Racer" (Andy e Larry Wachovski)
"A Bela Junie" (Christophe Honoré)
"Horas de Verão" (Olivier Assayas)
"Cristóvão Colombo - O Enigma" (Manoel de Oliveira).

Pedro, gostei, só não gostei das dispensas, e do Rodrigo Caetano, o cara era o gênio por trás das gramas, mas Grêmio sempre é Grêmio, não é a toa que somos tachados de IMORTAIS!

Marcel Gois disse...

Excelente top 05! Só não vi "Zona do Crime", mas se está aí tenho certeza que tem bons motivos! Desses o meu preferido é sem dúvidas "Sangue Negro". =)

Museu do Cinema disse...

Sangue Negro é quase unanimidade, até pq toda unanimidade é burra!

Pecado cinéfilo não ter visto Zona do Crime Marcel!

Vinícius P. disse...

Já tinha visto a lista, só disse que o filme ficou longe de ser um dos mais queridos do ano - ao contrário de "Batman", por exemplo

Kau disse...

Cassiano, não vi Zona do Crime por falta de vontade. E permita-me discordar de você: Blindness e Vicky... passaram bem longe até do meu top 10.

Não curtiu The Dark Knight??

Abração!

Museu do Cinema disse...

Vinicius, vc que acha, do mesmo jeito q Batman é querido, esse tá no mesmo nível. Foi sucesso de público e crítica igual ao morcegão.

Kau, não gosto de filmes clichês!

Marcus Vinícius disse...

Eu vi quase nada esse ano, mas 'There Will Be Blood' é um puta filme mesmo. Mas tu não acha que "Na Natureza Selvagem" merecia um lugar no top 5 hein?

Abraços tricolores!

Kau disse...

Cassiano, eu odeio filme de super-heróis. Mas achei TDK extremamente bem feito, já que o filme fala de poder, política, corrupção. Acho que para um filme blockbuster, ele não tem quase nada de clichê. A meu ver, o filme de Allen tem vááárias situações clichês, hahahahaha. Mas óbvio que respeito sua opinião.

Abraços!

Museu do Cinema disse...

Kau, devemos tá falando de outros filmes meu rapaz, TDK?

Clichê? Pode até ter, eu não acho, e vc nem citou, só criticou, mas cá para nós meu amigo, estamos falando de Allen, enquanto vc tá falando de quem mesmo?

Mas se vc tá falando de Batman, vc não acha clichê a própria trama? Que começa com um roubo espetacular, se desenvolve com um héroi buscando vingança e termina com o vilão morto?

Marcel Gois disse...

Cassiano, pode deixar que eu vou me redimir desse pecado! rsrs Já até anotei a dica aqui! =) Abraço

Kau disse...

Cassiano, eu disse que TDK não tem QUASE NADA de clichê, o que dá a entender que, mesmo assim, existem cenas clichês. Como eu disse, odeio filmes de heróis, principalmente adaptações de HQ's. TDK caiu do nada, uma vez que fui ao cinema arrastado pelo meu irmão que, além de ser fã de Heath, tem fissura pelo Batman. Acredito que é um blockbuster diferente, sabe? Personifica vários sentimentos em cada um dos personagens.

For God's sake! Não vim aqui criticar Allem que, sem a menos dúvida, é um dos meus diretores preferidos. Mas acho que ele utiliza próprios clichês de sua filmografia em Vicky Cristina Barcelona. Exemplo? Amor e traição andando juntos (o pentágono amoroso entre Bardem, Hall, Cruz, Scarlett e Messina). Não engoli isso de forma alguma, sabe? Outro exemplo... deixa eu ver... ah, um espanhol bonitão conhece duas amigas e, como era de se esperar, se envolve com ambas. Pra mim, isso pode ser visto em vários outros romances, sabe?! E os clichês de Vicky são o de menos, pois outros quesitos fizeram-me não gostar tanto dele.

Mas, acho isso tão pessoal... questão de opinião mesmo.

Kau disse...

E aquele "M" em AlleM saiu sem querer. Leia "AlleN"

=)

Museu do Cinema disse...

Kau, isso não é clichê meu amigo, só existe três tipos de histórias para contar, amor, policial e terror, o resto é derivado disso.

TDK que acho que deva ser Batman, tem o clichê dos filmes policiais, ao contrário de por exemplo Sev7n. Que sentimentos Batman tem? e o Curinga? Pq ele é violento? que sentimentos são esses? Estou falando de densidade, é disso q são feito as grande peliculas.

Se estamos falando de Allen tb vamos ficar nele por exemplo, Vicky e Cristina são mulheres cheias de densidade. Vicky é aquela mulher que visivelmente casou por falta de opção melhor, saindo daquela realidade dela, ela se apaixonou pelo sedutor espanhol (clichê - mas que serve pro filme). Enquanto que Cristina é a mulher liberal, porra-louca, que quer curtir a vida antes de casar como sua amiga o fará.

Só que mesmo a Cristina tem as suas inseguranças e descobrimos que na verdade ela é uma colcha de retalhos que nem sabe ainda sobre sua sexualidade.

Densidade de personagens é isso, é alguém que escreve o roteiro preocupado em desenvolver isso, em fazer uma cena para a personagem que implique pro inteligente espectador que ela é insegura. Enquanto que Batman está mais preocupado em escrever cenas onde o carro voe do telhado, ou siga uma ambulância em fúria.

Filipe Machado disse...

Bom dia,

Envio esta mensagem com o intuito de dar a conhecer o meu recém-criado blog sobre cinema (http://www.additionalcamera@blogspot.com). Sou um amador por estas andanças, mas se lhe interessar o conteúdo do meu sítio, gostaria de receber o seu apoio para divulgá-lo, nomeadamente através da colocação de um link no blog que administra. Colocarei também o seu endereço na minha rubrica “Additional Cameras”.

O meu muito obrigado pela sua atenção!

Sem outro assunto de momento, desejo-lhe as maiores felicidades para o futuro!

Filipe Machado


P.S. – Participe na sondagem "Melhor James Bond com Sean Connery" até ao dia 31 de Janeiro 2009, em http://additionalcamera@blogspot.com.

Kau disse...

Cassiano, sim! Eu disse que TDK (The Dark Knight =p) tem lá seus clichês, mas como vc mesmo disse "clichê - mas que serve pro filme". Acredito que não há possibilidade de se fazer um Batman sem a inserção de cenas clichês.

Ok, denseidade de personagem. Concordo que a caracterização das 'meninas de Allen', neste filme, são ótimas (comentei no emu texto ao filme). Mas sinceramente? Não vejo densidade na atuação delas, mas sim no roteiro quando as expõe. Diferentemente de Heath, por exemplo. Ele suga tudo do roteiro e cria algo tão denso, mas tão denso que é de se ficar impressionado.

Ah, e vamos mesmo ficar na fita de Woody. Rebecca e Scarlett, como eu falei, não são densas, pelo menos pra mim. Mas há uma terceira garota que transborda força e densidade com a sua Maria Elena: Penelope. Este é um ótimo exemplo! Louca de amor? De ciúme? De ódio? Ou de alegria? Penelope, em Vicky, é tão complexa e densa quanto Heath em Batman, ao menos pra mim.

Ramon disse...

Adorei as duas obras que se compensam na balança. Sangue Negro e Vicky Cristina Barcelona. As outras eu ainda não conferi. Sendo assim, prometo conferi-las antes de fazer a lista dos melhores de 2008 do Cinema em Casa. Se não conferir todos, ao menos o Blindness será impossível não ver.

Abs!

Museu do Cinema disse...

Ramon, vale a pena!