12 janeiro 2009

Estômago – A Gastronomic Story

Estômago – Marcos Jorge – 2007 (DVD)

Cozinha é simples Nonato. É como um quadro do Picasso. Simples, mas intenso.

O roteiro do filme nasceu em 2003, quando o escritor Lusa Silvestre enviou ao fotógrafo e documentarista Marcos Jorge três contos inéditos com histórias sobre comida. Um chamou a atenção do diretor, “Presos pelo Estômago”, à história de um homem que ganhava prestígio na prisão cozinhando para seus companheiros de cela. Porém era insuficiente para uma película. Era preciso inventar mais coisas, um roteiro de antes dele ir para prisão. Lusa e Marcos então desenvolveram a história de Nonato, contando como aprendeu a cozinhar, chegando a São Paulo. O título surgiu de metáforas relacionadas ao órgão: soco no estômago, ter estômago para enfrentar uma situação, e dor de estômago.

Homenageando os grandes filmes sobre culinária, Estômago recorreu a chef curitibana Geraldine Miraglia para tornar mais real as experiências gastronômicas de Nonato, assim como buscou o ex-presidiário Luiz Mendes Jr. para consultas nas cenas de prisão. No elenco, o baiano João Miguel dá show interpretando o paraibano Nonato. Seu par romântico, a estreante nas telonas Fabíula Nascimento, mantêm o espetáculo, e o titã Paulo Miklos faz uma participação especial com o bandido Etecétera.

Roteiro inspirado + Direção descontraída = um filme bacana sem aspirações de grandes prêmios, como parece ser a intenção de 99, dos 99 filmes nacionais produzidos por ano. Estômago é dos poucos que não tem o selo de “qualidade” da Globo filmes, e talvez esse seja seu maior trunfo.

Raimundo Nonato (João Miguel) é um paraibano que, como milhões de outros, vai a São Paulo buscar oportunidade na vida. Aprende a cozinhar e percebe que tem dom para a coisa. Se enrabicha pela prostituta Íria (Fabíula Nascimento), mas sua ingenuidade faz com que não perceba a condição da moça.

- Se tiver um pouquinho de alho, pimenta, cebola, azeite pra refogar, um pouquinho de queijo ralado e alecrim... Com o que tiver, nós dá jeito.
- É mesmo? Ô, Lino?
- Fala aí.
- Vê com os caras lá da cozinha lá meu. Manda eles trazerem esses bagulhos aí. E esse tal de alegrinho...
- Não é alegrinho não, é alecrim!
- Então...Alecrim! Traz esses negócios aí pro... Qual o teu nome mesmo, paraíba?
- Nonato Canivete.
- Ô Lino, traz pro Nonato esse Alecrim, que amanhã eu quero comer bem.

11 comentários:

Ramon disse...

Ah, animal! Fiquei com fome.
João Miguel é bom demais!

Abs!

Denis Torres disse...

Cassiano, o Tardelli é um dos jogadores problemas que eu mais fiquei feliz quando saiu do São Paulo! Jogamos a bomba para o Flamengo e em menos de 1 ano ele já tá fora de lá e agora vai jogar no Atlético-MG, na companhia do seu mestre Leão. Abs.

Vinícius P. disse...

Não vi muitos filmes nacionais no último ano, tenho que confessar, mas dos que conferi sem dúvida "Estômago" foi o melhor deles. E o João Miguel, que ator!

Museu do Cinema disse...

Denis, onde é que eu entro ai?

André Marques disse...

Boa Tarde, o meu nome é André Marques e eu e mais uns amigos meus criamos este blog: cinemafilmescinema.blogspot.com , que foi publicado hoje mesmo e estamos a ver se o promovemos, se começamos a ganhar algumas visitas boas pois pensamos ter futuro com este blog e temos bastantes ideias para apresentar ainda, pois está numa fase muito prematura o nosso blog.

Gostaríamos de saber se podemos contar com a vossa ajuda.

Muito Obrigado

Até Breve

Pedro Henrique disse...

Quase não vi defeitos nesse filme, que é excelente. Uma grande cena a final, não?

Abraço!

Rogerio disse...

Achei o filme muito bom, um dos melhores nacionais.Show de interpretaçao de Joao Miguel

Marcel Gois disse...

Sem dúvida o melhor brasileiro do ano passado! roteiro muito bom aliado a atuações inspiradissimas e ainda uma direção segura, só podia dar em coisa boa. E só o fato de não ser da Globo Filmes já conta pontos a favor. rs

Marcus Vinícius disse...

É o que tá todo mundo falando, melhor nacional do ano. Assim que possível, será conferido.

Saudações!

Museu do Cinema disse...

Pedro, sem dúvida, um final muito original!

Kau disse...

Cassiano, sou suspeito pra falar neste filme. Pude dar uma conferida nas filmagens, quando ocorreram em Curitiba, e fiquei chocado com a competência de Marcos Jorge. Além de tudo, o filme quase não tem erros e, pra mim, é um dos melhores nacionais dos últimos anos. Diria que é uma fábula para adultos...

Abraços!