22 outubro 2008

My Name Ain't Johnny

Meu Nome Não é Johnny – Mauro Lima – 2008 (DVD)

Fuck you é o caralho. Fuck tu, fuck eu, fuck o caralho todo.

Ainda adolescente João Estrela teve uma preciosa lição de seu pai ao pedir uma prancha de surfe. Seu progenitor lhe disse a frase, “não sou de dar o peixe, mas vou lhe ensinar a pescar”. Foi o que bastou para transformar João Estrela em Johnny (Selton Melo), de consumidor a maior traficante do Rio de Janeiro nos anos 90.

Meu Nome Não é Johnny conta à trajetória – o começo, o auge e o declínio, do simpático rapaz da classe alta carioca. Apesar de já conhecermos o percurso, o caminho será interessante, obra do belo roteiro, baseado no ótimo livro homônimo de Guilherme Fiúza, primo de João Estrela, e roteirizado por Mariza Leão e pelo próprio diretor, Mauro Lima. A edição de Marcelo Moraes ganha destaque pela seqüência, e pelas idas e vindas do tempo sem o uso de trucagens.

É um importante documento para nossa juventude, e também um ótimo exemplo para nossa justiça, embora seja inegável que a classe social tenha interferido neste caso. A glamourização, que muitas vezes o filme nos mostra, é necessária e didática para uma sociedade hipócrita e superficial como a nossa, onde a condição social é o valor mais importante de um cidadão. E João Estrela é mais uma prova disso.

"O verdadeiro lugar de nascimento é aquele em que lançamos pela primeira vez um olhar inteligente sobre nós mesmos (...)"

9 comentários:

Pedro Henrique disse...

O filme é bacana, mas não achei nada demais. Selton Melo em grande desempenho e Cleo Pires também!

Abraço!

Kamila disse...

Cassiano, você foi PERFEITO no penúltimo parágrafo de seu texto. Acho que o papel de "Meu Nome Não é Johnny" é este mesmo: servir como objeto de informação, de conscientização, porque existem muitos Johnnys por aí...

Kau disse...

Eu gosto deste filme, Cassiano. Acho bem feitinho... e gosto bastante da atuação de Selton Mello; o qual já é um dos melhores atores nacionais.

Ah! Destaco Cássia Kiss que, em papel totalmente secundário, arrasa.

Abraços.

Ramon disse...

É bonzinho, mesmo, é? Vou assistir em breve, então.

Abs!

Vinícius P. disse...

Eu gostei desse filme! Está longe de ser uma obra-prima, mas achei muitas das críticas um tanto injustas - afinal compará-lo com "Tropa de Elite" já é querer demais...

Abraço!

Rogerio disse...

Achei o filme meia boca.As atuaçoes novelisticas, com exceçao do Selton, mataram o filme.

A msg fica no meio do caminho.Nem alerta, nem choca, nem condena.A Historia do Estrela eh interssantissima, mas achei que foi mal retratada.

Vulgo Dudu disse...

Não vi o filme nem li o livro, mas aqui no Rio a história de João Estrela é famosa. Já era, antes de ser adaptada para a tela grande. E, sinceramente, não acho nada de extraordinário que merecesse um filme...

Abs!

Museu do Cinema disse...

Obrigado Kamila!

O Cara da Locadora disse...

Bem, disseram aí em cima que não viram nada demais na história para se fazer um filme, mas veja, pq o resultado vale... Me disseram a mesma coisa de Madame Satã e eu achei o filme sensacional...

Sobre o filme, bem, é muito bom, inegável, o Selton Mello tá muito bem... Mas eu não sou muito fã da mensagem que ele traz, e ao contrário do que se passou, discordo veementemente da ação da juíza que foi super boazinha com ele soh pq era branco, bonito e falava bem...

No mais, é isso... Eu escrevi algo no blog sobre ele, se quiser ler, abraços..