16 setembro 2008

O Nevoeiro

The Mist – Frank Darabont – 2007 (Cinemas)

Eu gosto muito de Um Sonho de Liberdade (1994) e A Espera de um Milagre (1999), os dois filmes anteriores do cineasta Frank Darabont baseados em livros de Stephen King. As obras publicadas pelo escritor têm em comum o terror e a imaginação fértil para o lado das criaturas do mau. As duas primeiras adaptações são exceções baseadas em pequenos contos, duas pequenas obras-primas.

Portanto, é correto afirmar que agora sim se trata de uma autêntica adaptação do universo de Stephen King, pelo já parceiro Frank Darabont. O Nevoeiro não nega suas origens, até as usa, mostrando que é sim um filme “B”. Em nenhum momento ele engana o espectador, mas seu grande mérito é prender a atenção para um final bizarro e pessimamente interpretado, porém visualmente bem dirigido.

A trama parte de uma pequena cidade do interior que, depois de uma intensa tempestade, enfrenta agora um estranho e forte nevoeiro. David Drayton (Thomas Jane) está com seu filho e seu vizinho no supermercado quando um homem entra nervoso e mandando fechar tudo, pois tem uma criatura matando todo mundo no nevoeiro.
A qualidade dos momentos calmos ficam por conta da Sra. Carmody (Marcia Gay Harden), uma carola que começa a prender a atenção dos desesperados dando uma última esperança. Pena que seu antagonista seja tão ruim ator.

17 comentários:

Sérgio Déda disse...

Assisti ontem e adorei... no início Thomas Jane estava um pouco receioso, mas depois foi se soltando e melhorou muito... não achei a atuação dele ruim... apenas normal...

O mais interessante do filme eh deixar a pergunta... que lugar seria mais seguro ? Fora do supermercado com monstros irracionais que atacam ou dentro, com uma pregadora disposta a fazer sacrificios e liderar uma carnifica entre seres pensantes e racionais, que revelam suas mais cruéis personalidades diante de da situação em que se encontravam ?

O desfecho dá um dó no coração... muito acima do esperado este filme pra mim...

vlws

Pedro Henrique disse...

Até que enfim alguém que pensa parecido comigo. Achei o Thomas Jane totalmente apático, sem carisma. Uma estátua ambulante. O filme é muito bom!

Abraço!

Museu do Cinema disse...

Sérgio, o que vc viu no inicio do Thomas Jane se repete na carreira, queria conhecer o louco que disse q ele era ator.

Agora no fim o filme diz que o lugar mais seguro seria dentro do supermercado mesmo com a louca religiosa.

Pedro, é notável a ruindade dele. Ele poderia tomar um curso de interpretação para atores. Acho que ele estragou muito o filme.

Cecilia Barroso disse...

Eu gostei muito do filme. Bem interessante!
Não achei Thomas Jane ruim, só fraco em momentos de maior interpretação. Mas se for para comparar com a interpretação de Marcia Gay Harden, ele vai mesmo perder muitos pontos.
Agora uma dúvida, o filme À Espera de um Milagre não foi baseado em um livro não?

Beijocas

Museu do Cinema disse...

Tb tenho essa duvida Cecilia.

Museu do Cinema disse...

Cecilia, qual seu blog?

Otavio disse...

Como assim "pessimamente interpretado"??? Explique-se, Gremista!

Abs!

Kamila disse...

Cassiano, eu não achei que o Thomas Jane comprometeu o filme. Ele é um ator limitado, mas esteve bem em "O Nevoeiro". Falando, agora, particularmente sobre o filme do Darabont: achei um suspense sensacional. Um dos melhores que vi em muito tempo.

Denis Torres disse...

Pô, perto do que ele já fez, o Thomas Jane não foi tão mal assim... Já vi atuações bem menos convincentes do que essa.

Fábio L. Rockenbach disse...

Não são os monstros da neblina o maior terror... a frase promocional é genial, "o medo muda tudo".
Grande filme - aliás, comparar Jane com Gay Harden é realmente uma crueldade sem tamanho.

Ygor Moretti Fiorante disse...

To praescrever uma resenha sobre esse filme e ainda naum tenho uma opinião devidamente formada, é um bom filme um roteiro interessante um desfecho mais interessante ainda, um filme de terror mais do estilão classico tipo monstros e tal, que no entanto alcança outras tematicas e se aprofunda no horrores da própria humanidade.

POr outro lado tem um jeitão de filme B, daqueles que são produzidos somente pra televisao ou que chegão aqui e vão direto pras locadoras, mas em todo caso é intrigante e surpreendente.

Museu do Cinema disse...

Otávio, pessimamente interpretado, quer dizer... pessimamente interpretado oras.

Kamila, vc é muito boa em dizer que ele é um ator limitado. Pra mim ele é ilimitado de ruindade.

Denis, ele interpretando uma porta deve ser regular.

Fábio Rockemback, é o jogador do Inter? A comparação é inevitavel, afinal são protagonista e antagonista da trama.

Ygor, é mais para terror B de qualidade!

Romeika disse...

Achei que eu fui a unica a nao gostar da performance do ator principal. Adoro a cena final, mas aquele grito dele ao fim, mostrou o quanto ele eh limitado. Como eu vi o filme em casa, meu irmao foi defender o talento dramatico do ator, dizendo que era o som que nao estava bem sincronizado com a imagem. Ah, ok, entao.

Mas adorei o filme, independente disso.

Alex Gonçalves disse...

É uma pena que o terrível “Cine Majestic” não seja um filme baseado numa das histórias de Stephen King... Enfim, “O Nevoeiro” é o meu filme predileto do ano, ao lado de “Desejo e Reparação” e “O Orfanato”. E eu achei que Thomas Jane está estupendo, assim como a Marcia Gay Harden, o baixinho Toby Jones e a talentosa Lauren Holden, uma atriz que ninguém notou.

Rogerio disse...

Pois eu gostei foi do final.Concordo que pessimamente interpretado pelo Thomas Jane, mas avassalador.

Ramon disse...

Uhmm, quer dizer que perdoasse as falhas considerando a obra como um bom "B"? Não sei se engulo essa, mas concordo que o resultado final é divertido.

Paloma disse...

Eu fiquei muito pu*a com o final por que tipo, ele matou todos os amigos e o filho dele por absolutamente NADA! Se ele tivesse esperado um pouco mais, nada daquilo teria acontecido. Mas o filme é fantástico, recomendo!