14 setembro 2007

O Vigarista do Ano

The Hoax – Lasse Hallström – 2006 (Cinemas)

Faça tudo para que seu inimigo sinta-se a vontade, depois derrube ele (...) O Presidente Nixon teve pago, através de seu “irmão” Charles Bebe Rebozo, uma significativa quantia em dinheiro, doada pelo Sr. Hughes para uma fortuita decoração de apartamento (...) Minha mãe nunca mencionou nenhum desses problemas para mim. Ela era uma mulher reprimida. Eu me dei conta agora que minha mãe me amou mais do que amou meu pai. De alguma forma eu tomei lugar como o objeto de amor dela. Meu pai sabia disso; ele era um coração de pedra, e minha mãe aparentava uma frieza exterior (...) Eu tive vários tipos de amplificadores auditivos que facilitariam as coisas para mim, mas não usava-os, não só porque não gostava de usar aparelhos auditivos, mas também porque eles realmente não eram tão efetivos. Então eu preferi ouvir só o que conseguia e pro inferno o resto das coisas. Além do que a maioria das coisas quem me diziam não valia mesmo a pena ouvir”. *

O cineasta sueco Lasse Hallström é uma pessoa injustiçada. Amaldiçoado pela crítica cinematográfica, Hallström entregou a Hollywood Leonardo DiCaprio, Gilbert Grape (1993), na melhor interpretação de sua carreira, filmou também Regras da Vida (1999), um filmaço que deu o Oscar a Michael Caine, também na sua melhor interpretação. Mesmo assim, é só estrear um filme dele para a crítica bater pesado, chamando-o de sentimental, raso e de mão pesada. Verdade que ele fez algumas bombas, mas merecia melhor tratamento.

O Vigarista do Ano, o título nacional remete a publicação da Time, que vocês podem conferir ai do lado – antes que alguém (eu mesmo) fale mau – é um filme sensacional que nos conta a verdadeira história de Clifford Irving (Richard Gere – perfeito no papel, apesar da interpretação que já conhecemos e talvez por isso mesmo), é um escritor falido que faz de tudo para vender um novo livro para sua editora, Andrea Tate (Hope Davis), da poderosa McGraw-Hill. Depois de uma recusa inesperada, Irving tem a idéia de escrever a biografia sobre o bilionário recluso Howard Hughes, cuja história já conhecemos do longa O Aviador (2004). O problema é que o excêntrico homem não autorizou ninguém, muito menos Clifford, a escrever algo sobre ele. Mas se ele está recluso, porque não fazer? Pensa Irving. E quanto mais ele mente, mais a história passa a feder, e mais o cínico vigarista passa a acreditar na sua mentira. Com a ajuda de seu amigo e sócio Dick Suskind (Alfred Molina), e da esposa Edith (Márcia Gay Harden), Cliff recebe 1 milhão de dólares em nome de Hughes para escrever o livro, e quanto mais a história avança mais inacreditável fica. Se fosse num filme então...

Como diria os Rolling Stones, You Can't Always Get What You Want. Clifford Irving sabia disso desde o inicio, e pagou o preço.

* Trechos da obra de Irving proibida até hoje. Não iria mentir para você!

11 comentários:

Romeika disse...

Esse filme já está em cartaz há algum tempo na cidade vizinha, tive um interesse inicial em vê-lo, mas por falta de críticas e recomendações, fui deixando pra depois (afinal, são 90mins de estrada, ida e volta).

Então, é bom mesmo? Tb gosto dos filmes citados desse diretor, e o elenco de "The Hoax" é genial, com exceção do Richard Gere, que não é um dos meus favoritos. Mas parece que ele está bem na fita?

Kamila disse...

Acabei de assistir a este filme e assino embaixo do seu texto, Cassiano. O filme é sensacional. Um dos melhores do ano, até agora. O roteiro é muito bom, as atuações (Alfred Molina e Richard Gere) são excelentes e a direção do Lasse Hallstrom é muito boa. Vou além e digo que é o melhor filme que ele fez até hoje.

Museu do Cinema disse...

Romeika, leia o comentário da Kamila e vai correndo ver esse filme! FILMASSO!

Vinícius P. disse...

Seus comentários estão ótimos, mas não gostei muito desse filme. Acho que é um dos piores do Hallström, ele deixa várias pontas do roteiro soltas e o filme se salva pelo elenco - ainda assim, não vi grande coisa na atuação do Richard Gere, prefiro o Alfred Molina. Enfim, leva fácil umas 3 estrelas, mas pra mim foi decepcionante.

Museu do Cinema disse...

Obrigado Vinicius!

Alex Gonçalves disse...

Cassiano, também gosto bastante dos trabalhos do sueco Lasse Hallström, de "Gilbert Grape - Aprendiz de Sonhador" à "Um Lugar Para Recomeçar". É um cineasta como poucos que abordam histórias simples da vida com muita sensibilidade. Já este "O Vigarista do Ano" deve ser o filme mais incomum da sua carreira. Quero ver bastante, e o elenco me chama bastante a atenção.

Museu do Cinema disse...

É incomum sim Alex, principalmente se formos nos basear em sua filmografia recente.

A dificuldade de um diretor como Lasse é a falta de "grife" dele, o que passa a ser entendido como falta de talento, ainda mais em Hollywood onde pipocam diretores.

Eu acho que ele é um bom cineasta, que sabe amarrar bem uma história e fazer dos atores uma peça importante no filme, mas não devemos esperar mais q isso, alguns podem chamar de mecânico, mas isso fica fácil para nós aqui de fora, já eu prefiro é chamar os outros de exceções, os que conseguem contar uma bela história e deixar sua marca!

Ramon Scheidemantel disse...

Olha... se o filme é bom, ou não, não sei. Mas que o post me deixou com vontade de assisti-lo, isso sim.
Parece bem interessante.

Marcus Vinícius disse...

Belo texto amigo tricolor, me deixou com muita vontade de ver também. E seguimos na luta pra Libertadores 2008. Chegaremos, anote aí. Abraço!

Rogerio Scheidemantel disse...

Taí de novo o Hughes dando Ibope, e desta vez sem nem mesmo querer. Esse milionario é uma das figuras mais interessantes do seculo, sem duvida.
Ja queria ver o filme, e com teu post, aumentou a curiosidade.
Falow.

Museu do Cinema disse...

Valeu Ramon, o filme é ótimo, tenho certeza que irá gostar!

Marcus, tá anotadissimo aqui! Tomara! Valeu

Rogério, sem duvida, o Hugues é uma das figuras mais importantes do século passado! Obrigado tb.