26 setembro 2007

O Crocodilo

Il Caimano – Nanni Moretti – 2006 (DVD)

Ele daria um bom guarda de campo de concentração num filme sobre a II Guerra”.

Depois de tantos absurdos cometidos no mundo nesses últimos anos, penso que passamos pelo pior, senão vejamos: Bush nos EUA, Chaves na Venezuela, Evo Morales na Bolívia, Berlusconi na Itália e Lula no Brasil. Se o mundo não se acabou agora, é porque não acaba mais.

O Crocodilo, apelido dado pela imprensa italiana ao ex-primeiro ministro italiano por sua fome em pegar (leia acabar) tudo, é um filme politizado, mas nem por isso chato ou documentarista, graças ao estilo metalingüístico que o cineasta Nanni Moretti usa.

O filme narra à história do produtor de cinema Bruno Bonomo (Silvio Orlando) que, enquanto está em processo de divórcio, resolve abortar sua nova produção – um complicado filme sobre Colombo – para investir numa película sobre Silvio Berlusconi de uma diretora estreante.

Moretti utiliza três atores para interpretarem o magnata, inclusive o próprio cineasta italiano, que encerra o filme com a interpretação mais sarcástica e odiosa. É usada também imagens de Berlusconi em discursos no Parlamento Europeu, como na famosa “ironia” quando convida um deputado social-democrata alemão para interpretar um nazista num filme italiano, frase que ilustra esse post.

13 comentários:

Kamila disse...

Me lembro de ter lido uma crítica excelente a este filme na revista Veja. Sua recomendação só aguça ainda mais a minha curiosidade em assistir a este filme.

Museu do Cinema disse...

Vale a pena Kamila.

Ramon Scheidemantel disse...

Pô, que baita dica. Preciso ver esse filme. O Berlusconi é algo inimaginável nos padrões políticos da atualidade. A maior rede de Televisão da Itália é dele, o Milan é dele, os maiores jornais são dele... enfim, a Itália é dele.
Exceto pela produtora que fez esse filme, é claro.

Museu do Cinema disse...

É verdade Ramon, no filme tem até uma brincadeira sobre isso.

Marcus Vinícius disse...

Bush nos EUA, Chaves na Venezuela, Evo Morales na Bolívia, Berlusconi na Itália e Lula no Brasil. Se o mundo não se acabou agora, é porque não acaba mais.

HAHAHAHA! Boa amigo, muito boa!

Romeika disse...

Adorei a introdução do texto e já anotei o filme aqui, ainda que as locadoras daqui quase sempre só tenham filmes estrangeiros com legenda em dinamarquês (ai de mim se não fosse a Internet). Com relação ao filme anterior, não conheço nada de Antonioni, mas aos poucos irei conhecer as obras desses grandes nomes do cinema. Assisti "Fanny & Alexander", do Bergman, recentemente, e me encantei.

Kamila disse...

Cassiano, acabei de alugar o "Não Diga Nada a Ninguém", uma de suas mais recentes recomendações no "Museu do Cinema". Assim que assistir ao filme, volto aqui para deixar minha opinião!

Bom final de semana!

Vinícius P. disse...

Queria ver esse filme no cinema, mas não chegou por aqui. Depois que conferi o soberbo "O Quarto do Filho" nesse ano, fiquei ainda com mais vontade de conferir esse novo trabalho do Moretti. Espero encontrar em DVD o mais rápido possível. Gostei do texto, mas não muito da introdução.

Até mais!

Vulgo Dudu disse...

Esse filme esteve em minhas mãos a pouco tempo. Quase o aluguei porque adoro o Moretti, seja na comédia ("Aprile"), ou no drama (espetacular "O quarto do filho"). Será que vou me arrepender em ter levado para casa "O céu de Suely"?

Abs!

Kamila disse...

Cassiano, assisti ao "Não Diga Nada a Ninguém" e deixei um comentário no seu post sobre o filme.

Museu do Cinema disse...

Marcus, valeu, mais 3 pontos rumo a Libertadores!

Romeika, vale a pena, é um periodo politico da Itália de relevância mundial.

Kamila, vou lá ler, espero que tenha curtido o filme como curti.

Vinicius, tb acho O Quarto do Filho soberbo, pena que vc não concorde comigo politicamente.

Dudu, seja bem vindo aos comentários, vc falou em filmes ótimos, tb espero conferir o Ceu de Suely.

Otavio Almeida disse...

Anotada a dica, Cassiano! valeu!

Abs!

Museu do Cinema disse...

Disponha!