07 agosto 2007

A Última Tentação de Cristo

The Last Temptation of Christ – Martin Scorsese – 1988 (DVD)

Baseado no livro homônimo do grego Nikos Kazantzákis, um dos mais famosos escritores gregos da história, autor também do livro que deu origem ao filme Zorba, o Grego (1964). É o filme mais polêmico da carreira de Scorsese, proibido de ser exibido em muitos países.

Muito antes do católico Mel Gibson dirigir A Paixão de Cristo (2004), o cineasta Martin Scorsese, também católico, resolveu adaptar o romance grego que conta a dualidade de Cristo dividido em ser o divino predestinado ou o homem comum. Willem Dafoe interpreta Jesus, um marceneiro judeu responsável por fazer as cruzes que os romanos crucificam os inimigos. Depois de ter visões, Cristo se refugia num mosteiro de onde parte pregando a palavra de Deus como o Messias enviado por Ele.

Com quase três horas de filme, e mostrando um Jesus humano e inseguro, o cineasta expõe algumas fragilidades quando tenta evitar seu estilo de filmar, ou seja, câmeras rápidas, closes e o uso da edição, para centrar no roteiro e abusar das cenas longas. Mesmo assim ele foi indicado ao Oscar pela direção.

Completam o elenco Harvey Keitel, como Judas, Barbara Hershey como Maria Madalena e David Bowie como Pôncio Pilatos, Peter Gabriel compôs a correta trilha sonora.

18 comentários:

Otavio Almeida disse...

Esse filme é sensacional! Ousado demais...

Ontem mesmo, eu estava revendo a primeira temporada de FAMÍLIA SOPRANO e há um diálogo sobre A ÚLTIMA TENTAÇÃO DE CRISTO. Disseram que Robert De Niro chegou a ser considerado para o papel de Jesus... e que aí o filme seria beeeeeeeem diferente. Ou seja, eles ironizam a escolha de Willem Dafoe.

Mas acho que ele se saiu muito bem... e quero ver alguém fazer um filme tão poderoso como esse (sobre o mesmo tema).

Abs!

Arthur disse...

Aff... acho que nem vi...
mas me interessei bastante!
Martin Scorsese, David Bowie só pode ser coisa boa!

Ramon Scheidemantel disse...

Estou ansioso para ver esse filme desde que li O Código Da Vinci. Mas com o passar do tempo acabamos esquecendo e deixamos pra trás.
Agora que você me lembrou, farei dele minha prioridade.
Ótimo post... é sempre bom lembrar de filmes esquecidos.

Museu do Cinema disse...

Não lembro desse dialogo Otávio, vou rever com certeza, qual o episodio? Mas vc disse tudo, o Dafoe tá sensacional no papel.

Arthur, não é dos Scorsese's o meu preferido, mas vale a pena pela tema e por se tratar de um cineasta católico.

Ramon, com certeza esse filme tem tudo a ver com O Codigo da Vinci.

Kamila disse...

Não assisti a este filme, mas, me lembro que, na época do lançamento de "A Paixão de Cristo", as pessoas fizeram muitos paralelos entre este filme do Scorsese e o filme do Gibson.

Otavio Almeida disse...

Hmm... não me lembro. Mas é o primeiro disco da primeira temporada de FAMÍLIA SOPRANO. Episódio 3 ou 4.

Abs!

Museu do Cinema disse...

Eu não diria paralelos Kamila, mas cada um tem uma visão do mesmo assunto, e ambos são muito católicos.

Valeu Otávio, vou olhar.

Bombaata disse...

Confesso que nao tinha ouvido falar desse filme ainda Cassiano(se me dá licença ja que por fuçar tanto aqui pude notar seu veradeiro nome), mas com certeza vou procurar por ele depois de tua indicação.
A proposito, estava dando uma olhada nos teus posts antigos e tem muita coisa boa, gostaria de comentar todos mas só agora to conhecendo teu blog.
Por acaso vc conhece o filme O Ultimo Homem na Terra(Omega Man) com o mestre Charlton Heston, de 1976 se nao me engano? é na mesma linha de Madrugada dos Mortos(o original de George Romero) só que os zumbis são albinos em plena New York.
Conheces?

Museu do Cinema disse...

Não conheço, mas já vi que é interessante. Obrigado pelo comentário, me chamo Cassiano, e vc?

Bombaata disse...

Pois é, peguei pesado demais com esse filme, acho que sou o único que viu isso hehehe. E pior, eu vi no antigo Corujão na Globo há uns 10 anos atrás, mas não tem lançamento no Brasil em DVD ainda.
Meu nome é Rogério, e caso te interesse segue um link desse filme: http://www.imdb.com/title/tt0067525/plotsummary
abraço.

Museu do Cinema disse...

Valeu Rogério, e seja bem vindo!

Esses filmes do Corujão da Globo é fogo mesmo, vi um há muitos anos atrás, não sei o nome, atores, país e lembro pouco da história, que se assemelha a Jules Et Jim, mais erótico.

Marcus Vinícius disse...

A cutucada na igreja foi muito boa. Se não me engano, em o 'Código Da Vinci' há uma citação do filme também. Não vejo a hora de ler seu (ou do Otávio) post sobre o 'No Direction Home'.

Abraço amigo tricolor!

Museu do Cinema disse...

Abraços Marcus, não lembro dessa citação em O Código Da Vinci, mas como minha memoria é fraca é capaz de ter passado mesmo.

Provavelmente serei eu a fazer a resenha, mas já abro espaço para você, se interessar.

Ramon Scheidemantel disse...

Isso, há uma citação sim, do filme no livro. Inclusive Dan Brown comenta o choque social causado pelo lançamento do filme de Scorcese.

Museu do Cinema disse...

Acho que lembro disso sim, vou dar uma olhada.

Bombaata disse...

Cassiano, assisti o filme. Muito bom, que trilha sonora!! As semelhanças com o livro do Dan Brown são descaradas. E alem de tudo o Scorsese ainda apronta um final surpresa pra coroar o drama!! Valeu a indicação.

Vinícius P. disse...

Acho esse o pior filme do Scorsese. Não chega a ser ruim, mas é chatíssimo.

Ramon Scheidemantel disse...

Concordo com todos comentários, embora muitos se contradigam. hehe!

Bom... o filme é realmente chato em alguns momentos. Porém isso é algo que fica eclipsado pelo final absurdamente inteligente e corajoso.
Achei a atuação de William Defoe um pouco tímida. Esperava muito mais dele. E o Scorsese forçou mesmo a barra tentando usar movimentos de camêra velozes e dinâmicos, que não são coerentes com a grandeza épica da história. A mesma incoêrencia senti no início e final do filme, nas respectivas músicas da trilha sonora.
Além disso, achei que faltou capricho (ou talvez $$$) nos sets de produção.
Apesar desses detalhes, o filme é sem dúvida uma obra magnífica.