23 julho 2007

Quem Bate a Minha Porta?

Who's That Knocking at My Door – Martin Scorsese – 1967 (DVD)

Prolongado de um curta-metragem de conclusão do curso de cinema de Scorsese, o filme I Call First ganhou cenas adicionais e uma espetacular seqüência de nudez em que a personagem principal fantasia fazendo sexo com prostitutas. Ela foi filmada depois da conclusão do longa, devido a interferência dos distribuidores que exigiram cenas sensuais para promover o filme. O título em inglês não tem a interrogação no final porque existe uma lenda em Hollywood que o ponto traz azar aos filmes.

É a primeira colaboração de Harvey Keitel com o cineasta. O ator foi escalado depois de responder um anúncio para participar do curta-metragem, juntamente com os outros atores amadores. Sua atuação é ótima e ele segura o filme nas costas.

J. R. (Harvey Keitel), um jovem que divide seu tempo entre farras com os amigos Joey (Lennard Kuras) e Gaga (Michael Scala), conhece uma garota e se apaixona depois de um papo cheio de referência a cultura pop – onde Quentin Tarantino aprendeu seu ofício. Com o namoro vem a vontade de casar e parar com a vida de brigas, bebidas e mulheres, mas a confissão da garota de que fora estuprada acaba por esfriar os sentimentos de J.R.

Scorsese fez desse filme seu début no cinema onde explora seu lado católico. A cena inicial da matriarca repartindo o pão entre os filhos é concluída com a cena final na igreja e suas imagens santas. Não por coincidência a atriz que interpreta a mãe é Catherine Scorsese, progenitora do diretor, e que freqüentemente faz aparições nos filmes do filho famoso.

12 comentários:

Kamila disse...

Cassiano, não conheço o filme citado, mas gostei muito do seu texto.

Museu do Cinema disse...

Kamila, o bom desse filme é ver o estilo de Scorsese nascendo, tem algumas cenas bem toscas, mas já surge a grife que estavamos acostumados até os filmes atuais desse gênio em hibernação. Obrigado.

Kamila disse...

O que eu estou achando interessante, Cassiano, é que estamos somente no segundo filme dessa sua retrospectiva, mas já dá para perceber como a obra do Scorsese é vasta mesmo, no sentido de temas abordados.

Museu do Cinema disse...

Bastante Kamila, e o engraçado é ver esses filmes de inicio de carreira, alguns bem toscos mesmo, mas que já são da grife do cineasta e demonstra sua preocupação com a imagem e edição.

Kamila disse...

Cassiano, vou ver se consigo achar o filme numa das locadoras daqui para que eu possa assistí-lo.

Museu do Cinema disse...

Kamila, esse filme é raro, eu nunca vi nas locadoras pq ele foi lançado numa caixa juntamente a Caminhos Perigosos, Alice não mora mais aqui e Depois de Horas.

Eu comprei a caixa na saraiva.

Anderson disse...

Scorsese é meu cineasta favorito e adorei ver esse monte de posts sobre ele aqui. Esse THE BIG SHAVE é impressionante!

Museu do Cinema disse...

Seja bem vindo Anderson, ainda vírá muitos Scorsese's por ai.

Kamila disse...

Para variar, Cassiano, os filmes interessantes têm que ser caçados.

Romeika disse...

Já tentei fazer uma busca rápida nas bibliotecas e sinal nenhum do filme. Aqui onde eu moro só tem blockbusters, daí já viu que é impossível achar essas raridades. Pra baixar, dúvido que tenha, mas vou dar uma olhada.

Pelo que vc fala, Cassiano, fica claro desde o início que o Scorsese estava no meio certo. Ele nasceu pra isso. Estou gostando muito do especial, pelo visto ainda tenho muito o que aprender da obra do Scorsese.

Marcus Vinícius disse...

Esse filme ainda não vi. Parece ser muito bom, sem contar que deve ser muito mais do que interessante ver os primórdios do tio Marty. Até mais!

Museu do Cinema disse...

É Kamila, é dificil sim, como muitos outros títulos. É uma caçada!

Romeika, até ai é assim...Quanto ao que disse é exatamente isso, Scorsese deixa claro desde o inicio q nasceu para a coisa.

Marcus, o filme vale a pena para ver o inicio da carreira desse gênio.