04 abril 2007

O Bom Pastor

The Good Shepherd – Robert De Niro – 2006 (Cinemas)

“Você sabe o que falo para as pessoas que me perguntam porque não colocamos o artigo a quando falamos da CIA? Você coloca o artigo na frente de Deus?”

Depois da primeira parte da película O Bom Pastor, um espião russo, cansado da tortura que lhe é empregada, diz aos torturadores e ao pessoal que ele sabe que estão o assistindo atrás do espelho: “Nós não temos uma inteligência tão forte quanto vocês imaginam, vocês nos fizeram para terem um sentindo à sua industria de espionagem.” O segundo longa-metragem de Robert De Niro, antes veio o ótimo Desafio no Bronx (1993), mostra como foi fundada e se transformou a Agência de Inteligência Americana – CIA, a partir da catastrófica invasão de Cuba através da Baia dos Porcos, em 1961, fruto de sabotagem de um espião.
"A vitória vem cheia de pais, mas a derrota é orfã".

Edward Wilson (Matt Damon), inspirado em James Jesus Angleton, é o chefe do setor de contra-espionagem da agência, portanto o principal responsável pela falha em Cuba. Encarregado de descobrir o espião, ele recebe, anonimamente, uma carta com uma fotografia e um áudio de um casal na cama. Voltando em flashbacks, o diretor vai contando a vida de Edward, desde sua infância traumática, até a sua formação na universidade de Yale, passando pela tradicional Skulls and Bones, a sociedade secreta norte-americana famosa pelos boatos sobre presidentes e métodos de trotes.

Na faculdade ele conhece o misterioso professor de poesia Dr. Fredericks (Michael Gambon), que o transforma em seu pupilo, até receber a missão de Sam Murach (Alec Baldwin) do FBI, e denunciar o professor por seus contatos com os nazistas alemães. Na sociedade secreta, ele é chamado pelo general Bill Sullivan (Robert De Niro), em personagem inspirado em William Donovan, para fazer parte de uma agência de inteligência. Recém-casado com Clover (Angelina Jolie), que espera um filho seu, ele parte para Berlim para só retornar 6 anos depois, renegando sua vida pessoal a segundo plano.
Se existe um defeito no filme de De Niro é a falta de maquiagem na personagem de Matt Damon, que não envelhece no filme, apesar de contar toda a sua trajetória. De resto o longa é irrepreensível, a partir do roteiro do craque Eric Roth, passando pela direção de veterano, um elenco afinado, uma fotografia (Robert Richardson) discreta, mas competente e uma trilha (Bruce Fowler e o brasileiro Marcelo Zarvos) correta e bem utilizada. Ainda tem a participação do sumido, e sempre maravilhoso, Joe Pesci, vivendo o mafioso Joseph Palmi, baseado em parte em Charlie “Lucky” Luciano.

Seu amigo hoje é o seu inimigo de amanhã.”

21 comentários:

Otavio Almeida disse...

É bom então, cara? Ainda não vi... muita gente falou que é muito confuso pelo excesso de flashbacks...

Mas é De Niro, né...

Abs!

Museu do Cinema disse...

É muito bom sim Otavio, não é confuso não, mas é necessário estar ligado o tempo todo no filme. Dá uma lida na sinopse antes tb ajuda.

Otavio Almeida disse...

Sinopse? Vc fala dos desavisados? Vou tentar ver O BOM PASTOR neste fim de semana...

Abs!

Museu do Cinema disse...

Sim Otavio, os desavisados.

Veja o filme sim, além de ser um filmão é o melhor nos cinemas.

Kamila disse...

O roteiro de "O Bom Pastor" foi considerado por muito tempo em Hollywood como um dos melhores roteiros ainda não filmados.

Gosto do trailer do filme, acho que "O Bom Pastor" é um filme muito interessante e espero que eu possa assistir este filme logo.

Museu do Cinema disse...

Sim Kamila, ele passou um tempão nas mãos de Robert De Niro que o tratou como um filho.

É um roteiro muito inteligente!

Túlio Moreira disse...

Quero ver esse filme, deve ser scorsesiano pacas!

abração e bom feriado!

Vinícius P. disse...

Achei a trama um pouco complexa (confusa em alguns momentos), mas o roteiro do Eric Roth é ótimo e sem dúvida é o melhor aspecto do filme. Não gosto especialmente da direção do De Niro. Acho que um diretor "de verdade" teria feito um trabalho bem melhor com os mesmos recursos (incluindo a atuação sempre competente do Matt Damon). Ah, a fotografia é maravilhosa, o Robert Richardson é um craque mesmo. Enfim, não tão bom pra mim, mas tem seus fãs.

Abraço.

Museu do Cinema disse...

Nossa Vinícius, não gostou mesmo hein, bom, minha opinião é completamente o contrário, a trama é até simples como tentei falar no post, mas é necessária sim 100% de atenção, De Niro é um ótimo diretor, em nenhum momento, em quase 2 horas e 40 de filme, ele deixa a peteca cair.

Vinícius P. disse...

Não, eu gostei sim, a única coisa que não gostei foi do Robert De Niro mesmo (pra mim ele destrói o ótimo roteiro mesmo). "O Bom Pastor" é um bom filme, apesar de muito pretencioso - pra quê 2 horas e 40? - não me entenda mal, adoro filmes longos, mas muita coisa podia ser cortada ali. E, mais uma vez, gostei do filme sim (especialmente a atuação do Damon e a produção técnica).

Vinícius P. disse...

*pretensioso

Marcus Vinícius disse...

Se eu tava ansioso pra ver O Enviado, que é uma merda, imagine esse então. Tá na lista dos "pretendo ver". Alias, é nesse que tem o Joe Pesci né?

Cassiano, dá uma olhada lá no blog, não preciso dizer qual será a parte II né, hehehehe. Esse ano eles não ganham nem par ou ímpar. Saudações!

Museu do Cinema disse...

Eu entendi sua crítica Vinicius, mas discordo, gosto muito da direção do De Niro, e não acho o filme pretensioso não, mas de qualquer forma, é sua opinião!

Oi Marcus, sim, o Joe Pesci reaparece depois de Maquina Mortifera 4. Vou lá...abs

Carla Martins disse...

Também gostei do filme e acho que a palavra que melhor descreve a trama é: denso.

Beijos

Museu do Cinema disse...

Beijos Carla, denso é uma boa palavra...

romeika disse...

Cassiano, realmente essa falta de maquiagem na personagem do Matt Damon eh realmente gritante e incomoda bastante (pelo menos eu achei muito estranho essa "opcao" de nao envelhecer o Edward Wilson).

Mas no geral nao tenho do que reclamar: o filme eh longo, mas nao se torna chato em nenhum momento, as atuacoes estao otimas (o Damon foi um dos esquecidos nas premiacoes desse ano), em especial a da Tammy Blanchard, que deveria ter mais chances no cinema, ateh a Angelina estah bem (e ela envelhece no filme melhor do que o Damon).

Enfim, O De Niro, depois do seu primeiro filme (que eu tb gostei), estah mais do que aprovado como diretor.
Abs,

Museu do Cinema disse...

Vc tá coberta de razão Romeika, a Jolie envelhece e o Matt Damon continua congelado no tempo, não consegui entender essa "opção".

Eu sempre costumo achar que a partir do terceiro filme sabemos se temos um cineasta ou não, os 2 primeiros do De Niro são excelentes...mas tb para quem trabalhou com Leone.

romeika disse...

E eu muito menos, Cassiano. Soh fico me perguntando se foi algo proposital ou soh um lapso da producao do filme. Entao vamos esperar pelo terceiro do De Niro, eu tenho feh nele.
Abs,

Museu do Cinema disse...

Romeika, não acredito em falha de produção, visto que a personagem da Jolie envelhece, acredito em falha na maquiagem que resolveu pegar leve no Damon e ficou leve demais...

romeika disse...

eh isso mesmo que eu quis dizer, Cassiano. Falha na producao, isto eh, parte tecnica do filme - maquiagem. hehe
:)

Museu do Cinema disse...

É Romeika, pensei que falou produção se referindo aos produtores, que eles foram "esquecidos" de envelhecer o Damon.