15 março 2007

Ettore Scola

Ettore Scola

“O cinema não pode mudar o mundo nem a realidade, mas pode ajudar a refletir”.

Discípulo de Vittorio De Sica, o cineasta italiano Ettore Scola nasceu em 1931 em Trevico na Itália. Começou sua carreira no cinema como roteirista e foi ator, produtor e assistente de direção. Filho de médico, estudou direito na faculdade em Roma, mas nunca teve a intenção de seguir a carreira. Em pouco tempo, sentiu o fascínio do jornalismo, trabalhando como diagramador de um jornal humorístico. Acabou indo para o rádio onde fazia scripts para comédias, alguns para um programa com Alberto Sordi, então extremamente popular. Em pouco tempo, Scola também já era um roteirista conceituado no cinema. Porém, ele demorou para optar pela direção. Com quase 40 filmes no currículo, Scola descende de um grupo politizado, socialista (no real sentido da palavra) e bem humorado que transformou o cinema italiano depois da II guerra mundial.

Estreou com o filme Se Permettete Parliamo di Donne (1964), com Mônica Vitti e Vittorio Gassman, que viria a ser um ator constante em seus filmes, e, desde 2003 não produz nada. Sensível aos dramas familiares e aos temas políticos, seus filmes tem em comum essas temáticas, sempre retratadas com bom humor.

Seu primeiro sucesso foi com o filme Ciúme à Italiana (1970), uma sátira a política de seu país. O reconhecimento internacional, no entanto, veio quatro anos mais tarde com Nós Que Nos Amávamos Tanto (1975), sobre o encontro de ex-combatentes da Segunda Guerra Mundial. Um ano mais tarde, Scola ganhou o prêmio de melhor direção no Festival de Cannes por Feios, Sujos e Malvados (1976), uma bem-humorada paródia da utopia urbanista do filme Milagre em Milão (1951), de Vittorio De Sica. Desenvolveu uma parceria das mais produtivas com o músico Armando Trovajoli, um constante colaborador de suas películas.

Com Sophia Loren e Marcello Mastroianni em Um Dia Muito Especial (1977), foi indicado ao Oscar de Melhor Filme Estrangeiro. Em O Baile (1983), um filme sem narrativa nem diálogos, apenas com números de música e dança que contam histórias do século XX (guerras, amores e pragas) ele inovou na estética cinematográfica. Com Casanova e a Revolução (1982) ele foge da Itália para retratar a revolução francesa, depois veio o ótimo O Jantar (1998) e Concorrência Desleal (2001), o melhor filme do cineasta na minha opinião. Esses filmes fazem parte da mostra que começa hoje sobre esse genial diretor italiano. Infelizmente, com quase 40 filmes lançados, a obra de Scola não chegou ao Brasil na sua totalidade, por isso iremos nos concentrar nos filmes lançados em DVD, quatro ao todo e VHS, dois.

Dono de uma caligrafia privilegiada na construção de diálogos, Ettore Scola busca transmitir em suas películas uma análise real da vida, algo comparável a Robert Altman, com um pouco menos de sarcasmo. Outra característica em suas obras é a visão infantil que costuma encerrar suas películas, um toque do gênio criativo. No próximo post trarei uma interessante entrevista do diretor ao site português cine cartaz.

10 comentários:

Kamila disse...

Cassiano, desculpa colocar um comentário meio off-topic, mas já que combinamos acompanhar a pré-produção de "Ensaio Sobre a Cegueira", ou "Blindness", o próximo filme do Fernando Meirelles, sinto-me na obrigação de repassar esta notícia:

Daniel Craig e Julianne Moore estão em negociações para estrelar a adaptação. Gostei dessas escolhas.

Museu do Cinema disse...

Kamila, vc é sócia!

Quanto a noticia, interessantissima, gosto muito dos dois atores, mas acho o Craig meio deslocado, sei lá, quanto a Moore é um nome maravilhoso. Onde viu isso?

Túlio Moreira disse...

Opa, adoro a Moore!

Cassiano, pra não dizer que desconheço totalmente a filmografia de Scola, Nós Que Nos Amávamos Tanto é uma das películas mais líricas que já assisti e tenho bastante vontade de conferir O Jantar. Parabéns pela escolha desse grande nome do cinema italiano.

Ah, comentei o tópico de "Cena de Cinema: O Pagamento Final".

abs!

Museu do Cinema disse...

Já te respondi lá Túlio, obrigado.

Vc citou dois grandes filmes do cineasta, voltarei a falar deles mais a seguir. Acho o Scola um cineasta das antigas, da velha tradição italiana que vem passando de geração a geração, ele faz parte da segunda, e para mim é o maior nome dela.

Kamila disse...

Li num fórum do qual participo. Tá aqui a notícia completa:

Meirelles pic has eye on talent

By Tatiana Siegel

March 15, 2007

Daniel Craig is in talks and Julianne Moore is in negotiations to star in the Fernando Meirelles-helmed drama "Blindness" for Focus Features International.

Adapted by Don McKellar from Nobel Prize winner Jose Saramago's acclaimed novel, the story chronicles an epidemic of blindness that sweeps through an unnamed contemporary city and pushes society to the brink of breakdown.

Potboiler Prods., Rhombus Media, Bee Vine Pictures and Meirelles' shingle 02 Filmes are producing. Focus is handling foreign sales for the film, which does not yet have a U.S. distribution deal.

Niv Fichman, Simon Channing-Williams and Gail Egan are producing.

Craig, whose credits include "Munich" and "Layer Cake," drew raves as the latest Agent 007 in "Casino Royale." He will reprise his role as James Bond in Sony's next installment, tentatively titled "Bond 22." Craig next appears in New Line Cinema's "The Golden Compass" and Warner Bros. Pictures' "The Invasion." He is repped by CAA, ICM London and attorney Doug Stone.

Moore, whose upcoming credits include "Next" and "Savage Grace," recently wrapped a Broadway run in David Hare's "The Vertical Hour." She is handled by CAA and Management 360.

Museu do Cinema disse...

Obrigado Kamila, mais uma vez, saiu na Folha de S Paulo de hoje tb!

Anônimo disse...

Legal as suas considerações. Bem instigantes. Só tenho uma questão simples: Por que não falou nada sobre "Una giornata particolare"? Esse silêncio é eloquênte, ou foi um lapso de memória? Valeu.

Museu do Cinema disse...

Se você ler mais atentamente verá que comento sobre Una Giornata, que no Brasil é chamado de Um dia muito especial, uma tradução bem feita.

Claudia Santiago disse...

Obrigada pelo texto, Museu do Cinema. Devo muito aos filmes de Ettore Scola.Vamos compartilhar!
Um abraço

Claudia Santiago disse...

Obrigada pelo texto, Museu do Cinema. Devo muito aos filmes de Ettore Scola.Vamos compartilhar!
Um abraço