02 fevereiro 2007

Nascido para Matar

Full Metal Jacket – Stanley Kubrick – 1987 (DVD)

Não mandarei jovens americanos para o outro lado do mundo para fazer o trabalho que os jovens asiáticos deviam fazer por eles mesmo”. Lyndon Johnson

A primeira pergunta que vem a mente depois de assistir Nascido para Matar é, como foi feito para ressocializar esses jovens quando acabou a guerra? O horror é mostrado com a crueza que merece, e, em nenhum momento, Kubrick responsabiliza os jovens soldados enviados para matar.

O título nacional é errado e pode confundir, foi influenciado pelo belo cartaz do filme. Nenhum dos jovens do grupo do amalucado Sargento Hartman (R. Lee Ermey) tem perfil de matador. Muito menos o soldado Pyle (Vincent D’Onofrio) um gordinho sem jeito para as tarefas esportivas, que encontra na espingarda e em suas balas totalmente cobertas de metal (full metal jacket), sua utilidade para o exército norte-americano. Pyle é alvo da ira dos colegas porque o Sargento o coloca nessa posição, e a maneira como isso terminou só tem um culpado, os métodos selvagens do Sargento, que por sua vez sabe que é o único método para transformar jovens imaturos em soldados prontos para matar, portanto se fosse seguir o título nacional, o mais correto seria, treinados para matar.

É meio estranho ver o humanista, e amante da psicologia, Stanley Kubrick, no mar de testosterona que é a guerra, mesmo assim o ambiente fica propício para análises freudianas. O soldado Joker (Matthew Modine) é um belo exemplo, ele usa o broche do movimento da paz na lapela do seu fardamento militar, e não consegue dar cabo a vida de uma atiradora que matou alguns de seus colegas.

O filme se divide em duas partes, o treinamento dos soldados pelo louco Sargento, e depois acompanha o soldado Joker como jornalista do exército, recrutado para fazer matérias durante a guerra do Vietnã.

7 comentários:

Kamila disse...

"Nascido Para Matar" é um dos grandes filmes sobre guerras. Acho que Pyle é um daqueles personagens que entram para a história do gênero. Muito bom mesmo!

Você pulou "O Iluminado", Cassiano? Ou este filme vai ser o próximo post da retrospectiva?

Túlio disse...

O melhor filme de guerra que já vi. Aliás, não gosto de filmes de guerra - geralmente repetitivos e etc. e tal - mas o que Kubrick fez com esse filme só Coppola e seu Apocalypse Now conseguiu fazer algo à altura.

A seqüência da rosquinha é algo porra louca esse cara é um puta gênio sem igual em qualquer época de qualquer história.

Marcus Vinícius disse...

"- Porque você atira nas mulheres e nas crianças?
- Porque elas são alvos mais fáceis."

Sou da mesma opinião do Túlio: os dois filmes definitivos sobre guerra são 'Nascido para matar' e 'Apocalypse Now'. Pessoalmente gosto mais da obra do Coppola, mas 'Nascido...' é muito foda mesmo. Saudações tricolores e até mais.

Museu do Cinema disse...

Concordo com os três. Nascido para Matar é um filme de guerra indispensavel.

Kamila, O Iluminado é o próximo, pulei propositadamente.

Otavio Almeida disse...

Claro que adoro o filme, Cassiano... mas confesso ter um pequeno problema com a segunda metade. Não está entre meus favoritos do Kubrick, mas é cinema de primeira.

Abs!

Vinícius P. disse...

Puxa, com você fazendo essa retrospectiva, percebo que vi mais filmes do Kubrick do que imaginava. Adorei "Nascido para Matar", um dos melhores filmes de guerra que já vi (principalmente por sua carga dramática extremamente sufocante).

Alex Gonçalves disse...

Este Nascido Para Matar marcou a minha infância. Tenho trauma do filme devido tamanha crueza das sequências de batalhas e mortes. Um filme que dificilmente devo ousar rever.