07 dezembro 2006

12 Homens e 1 Sentença

12 Angry Men – Sidney Lumet – 1957 (DVD)

Jovem de origem hispânica mata seu pai a facadas. Uma velha senhora, vizinha de apartamento, viu tudo e acusa o jovem de fugir ensangüentado logo após ouvir gritos da vitima.

Vivemos em uma sociedade preconceituosa, injusta e hipócrita. Quando se expõem sentimentos é que enxergamos a verdadeira face das pessoas. Também estamos na época da manipulação, somos a geração manipulada pela mídia.

12 Homens e 1 Sentença mostra essas duas discussões de maneira inteligente, mas um pouco maniqueísta, quando junta 12 homens desconhecidos numa sala de deliberação de julgamento (sala de veredicto). Eles só podem sair dali com uma decisão unânime, se não conseguir que todos pensem do mesmo jeito, o juiz terá que marcar um novo julgamento. O júri decidirá a vida do jovem de origem hispânica acusado de matar seu pai.

Rapidamente os jurados decidem pela condenação do réu pelo crime, que seria a pena de morte. Porém, um dos jurados, Mr. Davis (o excepcional Henry Fonda) decide por inocentar o jovem, criando muitos conflitos com os outros homens presentes. Na realidade a verdadeira intenção de Davis é a de ampliar a discussão, afinal estão deliberando sobre a vida de uma pessoa.

O filme é quase todo rodado numa sala e a tensão do ambiente vai aumentando à medida que o tempo vai passando, porque muitos ali querem ir embora e voltar para as suas vidas o mais rápido possível. A sensatez do único jurado transformará o julgamento num grande debate sociológico.

* Indicado ao Oscar de melhor filme, diretor e roteiro adaptado.

13 comentários:

Kamila disse...

Cassiano, não assisti ao filme do Sidney Lumet, e sim a uma refilmagem feita especialmente para a TV, com George C. Scott no papel que foi de Henry Fonda.

Pelo que li do seu texto, acredito que o telefilme mantém a mesma essência do filme do Lumet.

Túlio Moreira disse...

Cassiano, preciso ver mais esses filmes 60 / 70.. tenho andado meio desatualizado! Sou um cinéfilo desesperado, hehehehehe..

mas quanto à crítica, gostei muito de vc ter observado o estilo maniqueísta da narrativa do filme, que é muito comum em obras do gênero..

abraço!

Vinícius P. disse...

Ainda não vi esse filme, só um remake feito a poucos anos. A história é bem intrigante, tenho que ver o original para ter uma opinião bem construída.

Museu do Cinema disse...

Sim Kamila, tem muito a ver sim, cheguei a ver esse filme tb, mas considero o original melhor, a interpretação de Henry Fonda tá perfeita.

Museu do Cinema disse...

Infelizmente Túlio, o filme tem isso como defeito mesmo, acho que até o fato de ser rodado na época dos anos 50 e 60, ajudou ao filme a ter esse lado maquineísta.

Museu do Cinema disse...

Veja Vinicius, vale a pena, mas rever um filme antigo é sempre bom ter outros olhos, mais condescendente.

Túlio Moreira disse...

Em relação ao pôster de Esse obscuro objeto do desejo, ainda sustento a teoria de que, tendo em vista a loucura de Buñuel, trata-se de uma vagina costurada, mais ou menos no sentido de virgindade recuperada.. aquele saco que aparece durante o filme, com a boca costurada.. acho que é mais ou menos isso (mas nunca há certeza em se tratando deste espanhol/francês/mexicano).

Museu do Cinema disse...

A teoria é meio esquisita, mas vale Túlio, abri essa sessão no blog para colocar os cartazes mais interessantes que acho, aceito sugestões.

Túlio Moreira disse...

Coloque o pôster de O PAGAMENTO FINAL.. demais!

Túlio Moreiraeira disse...

Coloque o pôster de O PAGAMENTO FINAL.. demais!ais!

Museu do Cinema disse...

Adoro o filme, mas o cartaz é fraquinho Túlio.

Túlio Moreira disse...

SCARFACE é sensacional!

Museu do Cinema disse...

Esse sim, um poster sensacional, vc viu esse último agora, do dvd com a versão original e a de De Palma?