20 novembro 2006

Parábola do Mês

Estou abrindo outra sessão permanente nos links do blog, agora para as parábolas. Essa agora já ilustrou o post do filme Traffic (2001), mas não custa relembrar.

“Quando Kruschev foi forçado a entregar o cargo, ele se sentou, escreveu duas cartas e deu-as ao seu sucessor, dizendo: ‘Quando estiver numa situação da qual não haja saída, abra a primeira carta, e estará salvo. E, quando estiver em outra situação igual, abra a segunda.’ Logo, o sucessor se achou num mato sem cachorro e abriu a primeira carta, que dizia: ‘Ponha a culpa de tudo em mim’. Então, ele culpou o velho, e funcionou que foi uma beleza. Mas logo ele se achou em outra situação difícil, e abriu a segunda carta. Ela dizia: ‘Sente-se e escreva duas cartas.’”.
* Extraída do filme Traffic de Steven Soderbergh com interpretação do ator James Brolin, que interpreta o general Ralph Landry em conversa com a personagem de Michael Douglas, Robert Wakefield. Disponível em DVD.

6 comentários:

Túlio Moreira disse...

E essa conversa, além de ilustrar muito bem a essência de Traffic, serve muito bem como reflexão acerca da instabilidade do poder. Muito bom!

Museu do Cinema disse...

Essa é daquelas parábolas que pode ser utilizada em várias circunstâncias da vida. ALguns políticos brasileiros a usam que é uma beleza, mas eles devem ter milhões de cartas dos antecessores.

Túlio Moreira disse...

até imagino o que o FHC escreveu para o Lula... (e tá dando certo, hehehehe)

Museu do Cinema disse...

Minha pergunta agora é, será que o Lula vai escrever para ele?

Kamila disse...

Lula, com o tamanho do ego que tem, não vai escrever nada para ninguém! :-)

Andréa Lima disse...

Ei... agora deu para eu ler... realmente tudo a ver com a frase do Homer!!! Se esta moda pega.. rsrs