17 novembro 2006

avant-première

The Good German – Steven Soderbergh – 2006. A frase da campanha de marketing do filme pergunta: “Se a guerra é o inferno, o que vem depois?”.

Sem contar as produções em conjunto, A 5a dobradinha, Soderbergh e Clooney, tem uma áurea de filme sério a Solaris (2002), um cheiro da genialidade do diretor a Traffic (2000), e uma produção caprichada a Onze Homens e um Segredo (2001). O cartaz da produção é uma homenagem clara à Casablanca (1942).

No fim da segunda guerra mundial, enquanto aliados brigam pelo controle geopolítico da Berlim do pós-guerra, um jornalista militar norte-americano Jake Geismar (George Clooney) é enviado para trabalhar na cidade como correspondente. Jake tem também outra missão em Berlim, achar a mulher que ama Lena Brandt (Cate Blanchett), que sobreviveu milagrosamente a guerra, mas seu marido, um matemático procurado tanto por forças russas e norte-americanas, encontra-se desaparecido. Durante a Conferência de Postdam dos lideres das forças aliadas, Harry S. Truman, Winston Churchill e Joseph Stalin, o jornalista Geismar descobre o corpo de um soldado estadunidense perfurado por balas, que acaba levando-o a uma intriga de corrupção e traições.

Empolgado por ter encontrando uma história única, Jake Geismar mergulha fundo nas investigações entrando num mundo de mercado negro e cidadãos envergonhados, e acaba por perceber que os aliados procuram cientistas nazistas, incluindo ai o marido de Lena, responsáveis pela potência alemã, principalmente na construção de bombas atômicas. O filme ainda tem as presenças de Tobey Maguire e Beau Bridges. Veja o trailer aqui.

Baseado no livro homônimo de Joseph Kanon, que Paul Attanasio, roteirista da versão para o cinema do livro Donnie Brasco (1997), cuja adaptação foi soberba (li o livro e vi o filme, e é difícil saber qual o melhor), The Good German corre por fora na corrida ao Oscar. Mais uma vez Soderbergh é responsável pela fotografia e edição, usando pseudônimos. E pelo pouco que se vê do filme, o P&B está sensacional.

13 comentários:

Kamila disse...

Cassiano, a foto que você postou parece ser também uma homenagem à "Casablanca". :-)

Estou muito interessada neste filme.

Mas, Cassiano, o filme não corre por fora ao Oscar. Eu acredito que ele estará lá. Talvez, nas categorias principais. George Clooney, que é um marqueteiro de mão cheia, já anda por aí falando maravilhas desse filme.

Vamos aguardar para ver.

Bom final de semana, Cassiano!

PS: Te mandei os arquivos de "Dreamgirls" e espero que goste! :-)

Kamila disse...

Ah, "Pequena Miss Sunshine" estreou aqui em Natal. Quando eu assistir colocarei meu comentário no seu post abaixo.

Museu do Cinema disse...

Veja sim Kamila, vale a pena.

Quanto a The Good German acredito que esteja sim correndo por fora, nesses sites especializados nunca vi seu nome figurando entre os indicados. Quanto ao Clooney não acho ele marqueteiro (se for negativamente que vc estiver falando), mas ele é um ator (parece) muito querido pelos colegas, assim como Tom Hanks.

Túlio Moreira disse...

Eu nunca tenho uma idéia formada de quem está correndo por dentro ou por fora do Oscar até o comecinho de janeiro... Na edição passada, por exemplo, alguns meses antes da premiação, se cogitava The Door in the Floor como um dos favoritos a melhor filme e melhor atriz (Kim Basinger), mas parece que a produção sequer foi lembrada. É esperar para ver, mas desde já escrevo aqui que considero Sexo, Mentiras e Videoteipe, O Inventor de Ilusões e Traffic verdadeiras obras-primas. Ou seja, The Good German...

Museu do Cinema disse...

O Inventor de Ilusões???

Sinceramente não vejo esse periodo, temos que pensar que os filmes que concorrem ao Oscar começam a estrear lá nos EUA por agora, existe até uma data limite.

Túlio Moreira disse...

o menino comendo pedaços de papel em O Inventor de Ilusões é algo assim indizivelmente cinematográfico. Ah, e Kafka tb é ótimo.

Museu do Cinema disse...

Túlio, que filme é esse?

Túlio Moreira disse...

qual deles? Kafka ou O Inventor de Ilusões? O segundo é uma pequena obra-prima feita por Soderbergh em 1993, com o garoto prodígio da atuação (que infelizmente não ganhou mais destaque posteriormente), Jesse Bradford. É a história de um garoto que mora num hotel e seus pais sofrem com a crise de 29 e tal. O menino descobre o amor com uma menina que mora ao lado e ao mesmo tempo tem que enfrentar as adversidades econômicas... puxa, esse filme é um clássico!

abs!

Museu do Cinema disse...

Nunca ouvi falar, e olha que sou fã de Soderbergh amigo, valeu!

Túlio Moreira disse...

procure assisti-lo, Cassiano. Soderbergh no começo da carreira era especialmente delicioso.

Museu do Cinema disse...

Já tô atrás na net.

Vinicius P. disse...

obrigado por visitar meu blog. tenho que confessar que o seu blog é maravilhoso, tem comentários imperdíveis e um jeito diferente de analisar filmes. Essa 'avant-première' de The Good German está ótima!

Museu do Cinema disse...

Obrigado Vinicius, e a reciproca é verdadeira.