25 outubro 2006

Parábola do Mês

Conheço um homem que era cego. Com quase 40 anos, fez uma cirurgia e recobrou a visão. Primeiro foi o êxtase. Ele se sentiu muito bem. Rostos, cores, paisagens. Mas depois, tudo começou a mudar.

O mundo era muito mais pobre do que imaginava. Ninguém tinha contado quanta sujeira havia nele, Quanta feiúra. Ele via feiúra em toda a parte.

Quando era cego atravessava a rua sozinho com uma bengala. Depois de recobrar a visão passou a sentir medo. Começou a viver na escuridão. Não saia do quarto. Depois de três anos, ele se matou.

* Extraída do filme Profissão: Repórter (1975), de Michelangelo Antonioni e interpretado por Jack Nicholson. Disponível em DVD.

4 comentários:

Kamila disse...

O filme é de 1975, mas a frase continua atualíssima.

Museu do Cinema disse...

Principalmente para nós brasileiros Kamila.

Túlio Moreira disse...

Lembro de quando escrevi a crítica do filme e registrei: "Ou ele (David Locke) é um cego. Não aquele que recuperou a visão, aos 40, tornando-se depressivo e solitário à medida em que descobria a sujeira do mundo. David Locke é um cego condicionado à escuridão. Seu destino é um só, com ou sem cirurgia corretora."

Somos todos David Lockes, não há cirurgias curadoras para nós e tampouco precisamos de cirurgia para morrer.

P.S.: Cassiano, peço para vc ler minha resenha sobre "Nascido em 4 de Julho", a obra-prima de Oliver Stone, lá no Cinema Kabuki. Obrigado e abs!

Museu do Cinema disse...

Vou ler sim, com certeza, mas vou cobrar mais uma vez sua caixa de comentário amigo.

Outra coisa, esse post foi vc quem me recordou essa parabola!