16 outubro 2006

The Corporation

The Corporation – Mark Achbar e Jennifer Abbott – 2003

…e foi uma ponta de lança no meu peito…a lança entrou ainda mais. Tornou-se uma epifania, uma total mudança de mentalidade, uma mudança de paradigma.

Chega a ser irônico que The Corporation seja capaz de fazer tudo isso e ainda estar no esquema. Nas TVs, distribuído pelos estúdios de grandes grupos. Por que eles divulgam se é contra tudo o que representam? Gastam o dinheiro deles para criticar suas crenças.

É porque eles não acreditam em nada. Eles divulgam porque sabem que milhões de pessoas querem ver o filme, ver na TV e eles vão faturar.

E conseguem divulgar o trabalho porque se aproveitam dessa incrível falha do capitalismo. A falha da cobiça. O ditado diz que o rico venderá a corda para se enforcar se ele achar que lucrará com isso. O filme é a corda. Assim esperamos. Ele é parte da corda. Eles também acham que quando as pessoas assistirem a este filme elas não farão nada porque fizeram um bom trabalhado entorpecendo suas mentes tornando-as idiotas, e elas jamais farão algo. Não deixarão o sofá para tomar uma ação política. Eles estão convencidos disso. Eu acho o oposto. Estou convencido de que alguns deixarão o cinema ou sairão do sofá e farão algo para retomar o mundo.


Eu também acredito nisso, e acho a discussão importantíssima. O texto em destaque é do cineasta documentarista Michael Moore, que faz parte do filme.
- Vencedor do prêmio da audiência para melhor documentário no Festival de Sundance 2004.

Na devastação, há oportunidade.

9 comentários:

antônio josé disse...

apesar de ser um trabalho maniqueísta, entendo que assisti-lo é uma obrigação. gostei da parte em que diz que a discussão é importante.

obs. não sei se foi proposital mas a foto quando clica nela abre como gif animado, a estratégia ficou ótima assim, deu um efeito sensacional, porque aqui é uma coisa e quando abrimos mostra a verdadeira "face".

Museu do Cinema disse...

Legal seu comentário Antônio. Geralmente os documentários tem um lado maniqueista sim, concordo. Apesar de que The Corporation tem pouco disso.

Quanto a foto, não foi proposital não, mas depois que vi deixei.

Túlio Moreira disse...

coisas do capitalismo, meu caro.. aproveitaste a oportunidade de deixar o produto mais chamativo.. parabéns!

Museu do Cinema disse...

Pois é, temos que utilizar o mesmo método deles.

Túlio, vc assistiu ao filme?

Túlio Moreira disse...

não, amigo, eu estou atrasado com muitos filmes, até pq ultimamente só penso em um nome: Hitchcock, Hitchcock e mais Hitchcock!

abs!

Museu do Cinema disse...

Então tá em boa companhia!

Kamila disse...

Não assisti ao documentário em questão, mas o comentário do Michael Moore muito me impressiona. Acho muito louvável da parte dele achar que os filmes têm o poder de fazer com que as pessoas queiram modificar o mundo, mas, infelizmente, os fatos recentes não provam isso.

Mesmo com o seu "Fahrenheit 11 de Setembro", George W. Bush foi reeleito. O controle das informações está cada vez mais nas mãos de pouco.

Moore é um doido! Ou, então, ele é muito inocente (fato que eu, sinceramente, não acredito).

Museu do Cinema disse...

Você tem razão Kamila, e penso como você, cada dia fico mais triste com essa percepção, mas o fato de ainda terem pessoas que acreditam que podemos mudar alguma coisa dá um alento.

Você poderia assistir ao filme e fazer um comentário em seu blog. Pense a respeito. Sei que quebra um pouco o seu processo, mas vale a pena a discussão.

Kamila disse...

A sugestão está anotada, Cassiano. :-)

Vou procurar esse filme nas locadoras daqui da minha cidade. Vai ser difícil encontrá-lo, mas espero que eu consiga!