05 setembro 2006

A Dama da Água

Lady in the Water – M. Night Shyamalan – 2006

The Man Who Heard Voices - Or, How M. Night Shyamalan Risked His Career on a Fairy Tale” (O homem que ouvia vozes - Ou como M. Night Shyamalan arriscou sua carreira num conto de fadas), de Michael Bamberger (com a anuência de Shyamalan), conta um pouco da trajetória de como um diretor que criou duas obras-primas, O Sexto Sentido (1999) e Corpo Fechado (2000), e se transformou no ator-diretor-roteirista de A Dama da Água, uma ode a sua egolatria. O livro conta os bastidores da briga entre o diretor e o estúdio Disney, que sempre esteve do seu lado, até o roteiro de Lady in the Water. Foi quando propuseram alterações, o diretor então choramingou, sentiu-se traído pelo milhões de dólares que tinha rendido seus filmes e foi buscar outro lugar para ver o sol. A Warner bancou o filme e o resultado está nos cinemas para quem quiser se arriscar.

A primeira regra para se tornar um diretor com grife é se diferenciar dos outros, estar sempre se reinventando e possuir características próprias em suas filmagens. Manoj Nelliyattu Shyamalan, ou M. Night Shyamalan, não possui nenhuma delas, suas obsessões pelo vermelho do perigo, são “roubadas” do cineasta sueco Ingmar Bergman, suas referências à água de tanto se repetir se tornaram chatas.

A melhor personagem do filme é o crítico de cinema Mr. Farber (Bob Balaban), feito na medida para Shyamalan se vingar dos seus detratores, mas Farber acaba roubando a cena num filme sem pé nem cabeça, ou deveríamos dizer sem patas?

“É só outra porcaria de filme onde os dois protagonistas finalmente confessam seus sentimentos um para o outro debaixo de uma tempestade. Porque as pessoas nos filmes adoram ficar na chuva e conversar?”

Hollywood é famosa por transformar sucessos em enormes egos. Kevin Costner, Mel Gibson, Jodie Foster, John Travolta. Manoj Nelliyattu Shyamalan é apenas mais um, infelizmente.

9 comentários:

Túlio Moreira disse...

Quem sabe o tal "ego inchado" de Manoj Nelliyattu Shyamalan um dia volte ao normal, né? Mas parabéns pelo texto, gostei do "ou deveríamos dizer sem patas?"...

Museu do Cinema disse...

Obrigado Túlio, e torço tb para que o ego volte ao normal, apesar de achar dificil, acho que o cinema perdeu um grande diretor!

Kamila disse...

Concordo plenamente com seu texto, Cassiano. "A Dama Na Água" é o pior filme que o Shyamalan fez. Tudo bem que ele tem alguns momentos bonitos, mas não são suficientes para fazer com que o filme fique conosco no final da sessão.

Esse filme será mais uma desculpa para o Shyamalan dizer que ele é incompreendido e que ninguém entende o que ele faz.

Museu do Cinema disse...

Acho que nem pra desculpa esse filme serve, e os momentos bonitos que vc diz nos comentários, é muita bondade sua!

Kamila disse...

:-)

Já vi que você realmente odiou este filme, Cassiano!

Museu do Cinema disse...

Odiar é muito, só acho q um cineasta com o potencial dele ser tomado por um ego incontrolavel merece receber críticas pesadas para rever suas obras.

Kamila disse...

Nisso, então, nós iremos concordar, Cassiano. :-)

Tiago disse...

Incrivel como as pessoas se definham as "regras do jogo", o filme não está ai para ser criticado, está ai para ser visto e por quem quiser, acreditado, pegue seu kit blockbuster e goze com imensas atuações e dialogos de 25 minutos... não há mal algum nisso, agora criticar um filme que existe pelo fato de simplesmente querer que ele tenha existido, e em meias palavras, você: experiente critico "critico do quê, o que faz um ser deste !?", detonar algo tão puro e simples !?!?!? Realmente o filme tocou você da maneira como devia, assita-o com outros olhos... talvez entenda uma fração dele

Museu do Cinema disse...

Tiago, deixa ver se entendi primeiro. Vc não gostou pq eu disse que Shyamalan fez esse filme pelo simples fato de querer tira-lo do papel?

Antes fosse isso, ele, como vc, acreditam piamente que aquilo lá é filme. Antes um blockbuster de 25 minutos de dialogo, a um blockbuster com 100 horas de dialogo tolo e metido a cinema europeu, vc é que deveria revê-lo. é só alugar ou comprar, um BLOCKBUSTER desse tem até pirata!

E vc ainda acha que blockbuster são os outros...

Nada a ver com ...e o inferno são os outros?