28 agosto 2006

Parábola do Mês

Fiel, mas nem tanto (Faithful – Paul Mazursky – 1996)

Meu tio me deu seu relógio quebrado quando ia morrer e me falou:

- Ta vendo o vidro do relógio quebrado? Não conserte nunca!

Eu perguntei porque, e ele me falou que era para nunca esquecer do ódio que tinha de minha tia. Eles eram casados durante 45 dias e ele odiava a esposa, quebrou o relógio quando tentava bate-la e errou, acertando a geladeira e quebrando o vidro.

2 comentários:

Túlio Moreira disse...

Essa do relógio quebrado me lembrou Pulp Fiction, quando o Christopher Walken escondeu o relógio no c... por um tempão para entregá-lo ao Bruce Willis... falando de parábolas que vemos nos filmes, uma tocante (só que séria, não de curtição como a do filme do Mazursky) é a do cego em Profissão: Repórter, num dos grandes momentos do Cinema.

P.S.: tô fazendo esse mês no meu blog um especial com os 10+ dos anos 90, espero que vc confira a lista e não adianta falar, Pulp Fiction (11º), O Silêncio dos Inocentes (12º) e Matrix (13º) ficaram de fora.

Museu do Cinema disse...

Silêncio dos Inocentes e Matrix nem falo, mas Pulp Fiction de fora??? vou lá conferir!

Quanto a parábola do filme vou rever, pois não lembro!