15 agosto 2006

Duna

Dune – David Lynch – 1984
Depois de dois filmes elogiados pela critica, Lynch parte para a adaptação do best-seller homônimo de ficção cientifica de Frank Herbert.

O desértico planeta Arrakis, conhecido como Duna, no ano de 10.191 é o único local do Universo onde é encontrada a especiaria Melange. Vermes gigantes guardam esse inestimável bem, que permite viajar através do tempo e do espaço. Quem controlar a especiaria e os seus segredos, controla o universo.

Depois que seu pai é assassinado pelo cruel Barão Vladimir Harkonnen (Kenneth McMillan), o jovem Paul Usul Muad’Dib Atreides (Kyle MacLachlan – na sua primeira colaboração com Lynch, depois viria a se tornar seu ator preferido e amigo pessoal) descobre que seu destino está ligado à Duna, onde terá início uma batalha monumental que irá redefinir o cosmos. Um épico conflito prende a galáxia enquanto Paul Atreides conduz o seu povo para combater contra os temíveis Harkonnens pela posse do planeta. Mas em Duna, Paul descobre que o seu destino vai muito mais além do que esperava.

Cenários espetaculares e efeitos especiais muito bem produzidos marcam o longa, que conta com Brian Eno conduzindo a trilha sonora e ainda tem no elenco Virginia Madsen, Sting, Linda Hunt, Jack Nance (de Eraserhead), Jürgen Prochnow, Patrick Stewart, Dean Stockwell, Max Von Sydow e Sean Young, além do próprio Lynch.

O longa foi indicado ao Oscar de melhor som.

3 comentários:

Túlio Moreira disse...

Ainda que de difícil entendimento, o polêmico filme de David Lynch (Veludo Azul) pode ser considerado um dos melhores de ficção científica dos anos 80, não só por sua estética única, mas pelo valor de sua trama e pelo belo trabalho dele na direção. O elenco responde à altura, com Kyle MacLachlan defendendo corretamente o personagem principal. A obra toda é primorosa, mas algumas cenas têm valor próprio: a sede de sangue do bizarro barão Harkonnen; Paul toma a água sagrada para poder continuar em sua missão; o contra-ataque do Imperador com suas tropas Sardaukar; a luta de Paul com Feyd-Rautha (Sting). Duna, o filme, não consegue absorver todos os elementos da complexa saga de Frank Herbert, mas já vale como um grande exercício de metáforas fantásticas para o planeta Terra.

Museu do Cinema disse...

Legal Túlio, gostei do final do seu comentário onde fala das metáforas. Acho que os grandes filmes de ficção se prestam a esse dever, nos tentar mostrar e abrir nossos olhos para a humanidade. Acho q Lynch conseguiu.

Luã Olsen disse...

Tudo menos "efeitos especiais muito bem produzidos..". Aliás, esse filme é o mais fraco e que mais deixa a desejar, na minha opinião.
Textos e detalhes sobre a elaboração do filme (e do filme em si), são encontrados facilmente na net.
Blue Velvet, sem dúvida é o melhor.