22 agosto 2006

Cidade dos Sonhos

Mulholland Dr. – David Lynch – 2001

"Não tem banda! Aqui não tem banda, é tudo uma ilusão"!

Depois de um acidente de carro, na Mulholland Dr., uma rua de Hollywood, Rita (a bela atriz Laura Harring), a única sobrevivente, fica com amnésia. Vagando pelas ruas, cansada e sonolenta, ela acaba indo a um apartamento, ocupado pela aspirante a atriz Betty Elms (Naomi Watts), que fica intrigada para descobrir sobre a identidade de Rita. Assista ao trailer clicando aqui!

O filme foi concebido para ser um piloto de uma série para TV, mas os produtores não gostaram do resultado final e não autorizaram sua veiculação, porém Lynch recebeu verba do grupo francês Studio Canal para filmar novas cenas e finalizar a película.

O cineasta ainda usa de seus expedientes habituais como a “amnésia” para entrar em outra vida (fuga da realidade), os grandes panos vermelhos do teatro, e a figura de uma mulher dublando. Alias, a seleção musical do filme é digna de Tarantino, uma mistura das melhores baladas dos anos 50 com uma versão espanhola do clássico Crying de Roy Orbinson, transformada em Llorando. Destaque para a sensacional Sixteen Reasons, que no filme é dublada, velha marca registrada do diretor, por uma aspirante a atriz e que não foi incluída no cd da trilha sonora devido a muitos direitos de propriedade da música. Para ouvir a canção clique aqui.

Indicado ao Oscar de melhor diretor. Ganhador, como melhor diretor, do Festival de Cinema de Cannes, juntamente a Joel Coen.

7 comentários:

Túlio Moreira disse...

Um dos meus maiores pecados como cinéfilo é não ter tido oportunidade - ainda - de ver Cidade dos Sonhos, mas só pelo título brasileiro, já posso perceber o quanto se trata de um legítimo David LYNCH. Parabéns pelos seus comentários em torno da trilha sonora (um dos pontos altos de qualquer obra-prima), mas discordo do final, quando vc escreve que foi indicado ao Oscar de melhor diretor, quando, na verdade, o filme ganhou a Palma de melhor diretor em Cannes, o que, ao meu ver, é muito mais importante (vide Robert Altman e sua Palma de diretor por O Jogador, que recebeu míseras 3 indicações ao Oscar)

Museu do Cinema disse...

Erro meu Túlio, obrigado pela lembrança e vou tratar de dar o merecido destaque!

Kamila disse...

Eu gosto de "Cidade dos Sonhos". Tive problemas para entendê-lo pela primeira vez, mas, na medida em que fui assistindo-o outras vezes, pude compreender melhor a sua história.

E acho que, com esse filme, Lynch mostra como a cidade de Hollywood pode corromper as pessoas e transformá-las em algo que elas nunca imaginaram ser.

Acho que é justamente isso que acontece com Betty Elms. Ela chega com sua personalidade doce à Hollywood e, logo depois, está completamente auto-destrutiva. Seria culpa da Cidade dos Sonhos?

Ana Carolina disse...

Acabei entrando aqui no Blog por acaso, ao fazer uma pesquisa sobre a trilha sonora de Cidade dos Sonhos. Há dois anos tento descobrir qual seria o nome da mais bela música do filme, Sixteen Reasons, já que não encontrava na trilha sonora. Obrigada ao autor do post por publicar o nome da música e explicar o motivo de não estar na trilha.
Esse foi o melhor filme que já assisti, mesmo não tendo entendido muito bem ao assistir pela primeira vez. Mas depois de pesquisar sobre o filme, encontrei a melhor interpretação que já vi publicada (http://www.cinemaemcena.com.br/frm_Criticas_Detalhe.aspx?ID=8317&cod_filme=1730&tipo=criticas). Essa crítica mostra realmente a essência do filme. Vale a pena ler.

Museu do Cinema disse...

Obrigado Ana, realmente essa música é linda, que bom que a trouxe aqui, é sempre bem vinda pessoas com bom gosto musical, além do cinematográfico.

Juan Peterson disse...

Ana Carolina, tamb[em encontrei o blog por acaso, e tb acabei de ler a interpreta;'ao do cinemaemcena.com.br. Coincidencia mesmo, ja tinha assistido o filme 3 vezes e quando tava entendendo, me confundia de novo. Mas estou lendo todas as criticas possiveis e imaginaveis para reunir um bom argumento para escrever na minha prova. agradeco ao blog! A trilha sonora realmente e do caralho! Lynch ta bombando no blog hein...

Museu do Cinema disse...

Obrigado Juan, a trilha é sensacional mesmo, o filme idem, essa interpretação do cinema em cena é realmente muito boa, apesar de discordar de muitos pontos, vejo o filme com mais simplicidade...