19 julho 2006

Pulp Fiction

Pulp Fiction – Quentin Tarantino – 1994

“Na França você pode comprar uma cerveja na McDonald`s.”

Cultura pop, diálogos surpreendentes, o revival de John Travolta, influências cinematográficas, Pulp Fiction mudou a história do cinema. Um marco revolucionário que transformou Quentin Jerome Tarantino numa referência, um ícone. Fã confesso de Martin Scorsese, Brian De Palma, Howard Hawks, Sergio Leone e Jean-Luc Godard, Quentin usou os filmes que assistia, quando trabalhava em locadora de vídeo, para montar um currículo cinematográfico de fazer inveja aos mais experientes.

Dono de uma memória de elefante, Tarantino mistura em seus projetos música, filmes e cultura popular como um grande chef de cozinha prepara seus menus. Três elementos que estão sempre mixados em seus filmes.

O filme conta as seguintes histórias, não exatamente nessa ordem, aqui em ordem cronológica:

Vince and Jules

Dois matadores vão executar um trabalho num apartamento onde aparentemente dois jovens tomam seu café da manhã à base de hambúrgueres do Big Kahuna Burger* Enviados pelo chefão Marsellus Wallace (Ving Rhames) eles estão a procura de uma mala*(2). Entre conversas sobre Amsterdã, massagem nos pés, pilotos de TV e McDonald’s, eles presenciarão algo que mudará suas vidas.

The Bonnie Situation

Com um carro completamente ensangüentado e um cadáver sem cabeça no banco traseiro, Jules (Samuel L. Jackson) resolve ligar para seu amigo Jimmy (Quentin Tarantino) no intuito de tirar o carro de circulação. O problema é que a esposa de Jimmy, Bonnie, está prestes a chegar em casa e se ela encontrar aquela sujeira, as coisas podem se complicar.

The Diner (both parts)

1ª parte – Pumpkin (Tim Roth), - mesmo nome da personagem de Robert De Niro em O Rei da Comédia (1983) de Scorsese -, está com sua mulher, Honey Bunny - Yolanda (Amanda Plummer) conversando sobre roubos em um restaurante quando resolvem assaltar aquele estabelecimento.

2ª parte – Jules e Vincent estão num restaurante conversando sobre a precoce aposentadoria de Jules, que acredita ter sido avisado por Deus. Vincent incrédulo conversa sobre a personalidade de animais até o momento que vai ao banheiro.

Jackrabbit Slims


Um restaurante estilizado nos anos 60 e 70 onde as garçonetes são estrelas famosas de Hollywood como Marilyn Monroe, e as mesas são carcaças de cadillac’s. É o local escolhido por Mia Wallace (Uma Thurman) para sair com Vincent Vega (John Travolta), encarregado de divertir a esposa do chefão Marsellus Wallace (Ving Rhames). Doidões, Vince e Mia acabam participando do concurso de twist do Jackrabbit Slims.

The Gold Watch

Butch (Bruce Willis) é um lutador de boxe que, com problemas financeiros, resolve fazer um acordo de trapaça com o chefão Marsellus Wallace (Ving Rhames), mas seu plano vai além e ele também resolve passar pra trás o próprio Marsellus, que enfurecido manda seus capangas caça-lo por toda Los Angeles. Porém Butch já tem o esquema em operação para deixar a cidade. A única coisa que ele não prévia era que sua namorada Fabienne (Maria De Medeiros) fosse esquecer o seu relógio de ouro, herdado de seu pai, um soldado das guerras norte-americanas.

Algumas curiosidades:

O livro que Vincent (John Travolta) carrega sempre toda vez que entra no banheiro, "Modesty Blaise", de Peter O'Donnell, tem um assassino que sempre cita versos bíblicos muito similares ao de Jules (Samuel L. Jackson);

A personagem de Harvey Keitel possui o mesmo nome (Mr. Wolf) e a mesma especialidade (limpar “bagunças”) da mesma personagem em A Assassina (1993), que também é interpretado por Keitel, velho parceiro de Tarantino desde Cães de Aluguel (1992), filme pelo qual ele ajudou a angariar verba para produção;

A história envolvendo a overdose da mulher do chefão, Mia Wallace (Uma Thurman) e sua ressurreição através da injeção de adrenalina no coração é a mesma do documentário American Boy: A Profile of: Steven Prince (1978), dirigido por Martin Scorsese;
Quando Butch (Bruce Willis) pergunta a Zed (Peter Greene) com a espada de samurai: “Você quer essa arma, não quer Zed? Vá em frente e escolha uma. Eu quero que você escolha uma.” É a mesma frase pronunciada pelo Xerife Chance (John Wayne) em Rio Bravo (1959), que é um dos filmes favoritos de Tarantino.

Quando Mia vai ao toilete “retocar” a maquiagem no Jackrabbit Slims e puxa uma carreira de cocaína no banheiro, ela diz: "I said goddamn, goddamn." É uma referência a música "The Pusher" de Steppenwolf, a música de abertura de Sem Destino (1969).
Todas as vezes que Vincent vai ao banheiro, algo acontece. E na cena com Jules, em que um sujeito sai do banheiro e descarrega a arma nos dois é a primeira vez que o banheiro aparece na vida de Vincent. É uma homenagem a Alfred Hitchcock, que também usava freqüentemente o banheiro em seus filmes.

* Big Kahuna Burger foi uma invenção de Tarantino, essa lanchonete hawaiana não existe.
*(2) Segundo Alfred Hitchcock 'MacGuffins' são objetos que só servem para contar uma história maior. Funciona como elemento de atenção para algo mais elaborado, sua funcionalidade é só essa.

3 comentários:

Marco Ogê disse...

Olá. Eu também vou e busca de muitas informações sobre Quentin Tarantino e posso dizer que o que li nessa resenha é absolutamente verídico. Parabéns. Há muita besteira escrita sobre Tarantino, por isso devemos prestigiar quem escreve coisas boas.

Marco Ogê disse...

Li seu comentário, no meu blog, e também agradeço. Outras pessoas já me disseram que o blog está um puco pesado, mas também houve quem disse que não teve problema nenhum com ele. Não sei como resolver esse impasse, mas a verdade é que há momentos em que ele vai bem e não há problemas, e momentos em que certos probleminhas ocorrem e tudo vai uito mal. Tentarei pesquisar soluções para facilitar a entrada nas postagens.
Obrigado.

Pedro Henrique disse...

Me chamou aqui só para humilhar minha humilde resenha, rsrsrs. Brincadeira, Cassiano. Ficou o ótimo o texto. Ótimas as curiosidades que você apontou no final do texto.
O filme?O filme é clássico. Excelente.

Abraço!