29 dezembro 2005

Sin City

Sin City - Robert Rodriguez, Frank Miller e Quentin Tarantino - 2005

Simplesmente fascinante. As filmagens de Sin City 2 (A Dama Fatal) devem começar agora em janeiro. Já confirmadas na seqüência estão as personagens Marv (Mickey Rourke), Dwight (CliveOwen), Gail (Rosario Dawson), Miho (Devon Aoki) e as gêmeas Goldie e Wendy (JaimeKing). O filme deve entrar em cartaz em 18 de agosto de 2006 nos Estados Unidos. Enquanto Sin City 2 não chega às nossas telas, vamos aguardar o DVD especial do primeiro filme com todas as explicações possíveis na produção e bastidores. Esta produção foi considerada a adaptação mais fiel já feita de uma história em quadrinhos.

A atmosfera noir - o submundo de uma cidade corrupta, onde transitam vigaristas, assassinos, vigilantes e mulheres fatais - é uma tremenda experiência visual. Não conseguia desgrudar o olho da tela. Simplesmente fascinante. A fita é sensual, cruel e bem humorada e segue fielmente a cartilha de um dos renovadores dos quadrinhos Frank Miller (consagrado quadrinhista criador desta e de tantas outras HQs que mudaram a cara da nona arte nas décadas de 1980/90), mestre na arte de luz e sombra. Narra a vida na suja e apaixonante Sin City, uma cidade cujas ruas são pavimentadas com corrupção e ódio, onde os becos acobertam crimes que ninguém quer tomar conhecimento e os olhares de cada pessoa bastam para revelar pecados secretos.

Em seu último dia de trabalho, o último policial honesto de Basin City, John Hartigan (Bruce Willis), tem que enfrentar um cafetão e seu sócio corrupto (Michael Madsen) para resgatar a garota Nancy (Makenzie Vega), de 11 anos, das garras do sádico filho (Nick Stahl) de um senador. Numa cena que ocorre oito anos mais tarde, Nancy se transforma na curvilínea Jessica Alba. Na seqüência o ex-presidiário Marv(Mickey Rourke escondido atrás de próteses) levando para casa uma deusa chamada Goldie (Jaime King). Ela é assassinada enquanto ele está dormindo. Marv jura vingança, e, para capturar o criminoso, ele não hesita em passar por cima de toda a força policial, bandidos diversos e prostitutas endurecidas até o último grau. Finalmente, há Dwight (Clive Owen), um detetive particular durão que se envolve no assassinato de um policial predador (Benicio Del Toro). O fato ameaça acabar com a trégua declarada entre a polícia de Basin City e as prostitutas lideradas pela durona Gail (Rosario Dawson), que cuida dos negócios na Cidade Velha.

Os romances gráficos de Frank Miller são transferidos diretamente para a telona, por meio das técnicas que o inovador diretor Robert Rodriguez inaugurou em sua série Pequenos Espiões (um filmezinho chato). O cineasta inclui até mesmo a paisagem urbana preta e branca das histórias em quadrinhos, suas caricaturas absurdas e sua violência estilizada. O filme, que tem a direção assinada pelo próprio Miller e por Rodriguez, com direito a participação especial de Quentin Tarantino, mostra explicitamente tudo o que os escritores de ficção barata apenas sugerem ou deixam subentendido. Sadismo, tortura, castração, canibalismo estão misturados na fita e é uma grande piada. As figuras de autoridade, quer sejam policiais, religiosos ou funcionários do governo, são decadentes e degradantes (lembra-se, algumas vezes o Brasil).

Apesar de criativo, o ambiente visual é hipnótico, mas nunca muda. A carnificinadas cenas é provocativa mas trata a mulher como vadia ou assassina psicótica. O pessimismo e niilismo estão presentes nos personagens sempre caricatos. Poderia avançar mais e não simplesmente ficar nesse dualismo bem versus mal. Mesmo assim vale pelo visual estonteante até nos primeiros quinze minutos. Depois as cenas se repetem. Mas sem dúvida alguma traz criatividade e renovação na linguagem da transposição dos quadrinhos para o cinema.

* (Gutemberg Cruz é jornalista e especialista em HQ)

Nenhum comentário: