14 janeiro 2020

The Edge of Democracy

Democracia em Vertigem - Petra Andrade - 2018 (Netflix)

Quando estourou a corrupção petista, provada depois como a maior da história da humanidade - foram quase 60 bilhões só em devoluções ao erário publico -, ficou óbvio que aquilo já vinha antecedida pelos governos FHC, Collor e Sarney, ficou claro também que não era monopólio somente dos políticos. Além das maiores empreiteiras do país, outros segmentos estavam envolvidos, entre eles: mídias, grandes empresas como JBS e AMBEV e jornalistas. Ou seja, era um sistema muito bem azeitado feito não só para roubar o povo, principalmente os mais pobres, principais atingidos, como também manipulá-lo num círculo vicioso onde se trocavam as peças do tabuleiro, mas o sistema continuava dando as cartas. Dos 8 principais candidatos a Presidência na última eleição, apenas 1 não participou desses governos, sendo ele o que possuía menos tempo de TV e uma candidatura amadora feita em casa pelo filho. Todos tinham certeza que ele não seria eleito, mas a campanha mostrou o contrário, foi quando o sistema tratou de cortá-lo.

O sistema tem vários nomes, mecanismo, máquina, e ele funciona com dinheiro, do público. Não se engane com as doações "privadas".

Andrade Gutierrez, que é o principal caso aqui nesse doc, é uma empreiteira das mais envolvidas com políticos. Desde sua inauguração, a empresa não sabe o que é viver sem o dinheiro do Estado e ter representantes, seja familiares ou indicados financeiramente, no Congresso nacional.

Petra Costa, Petra Andrade Costa, diretora, roteirista e responsável pelo pseudo-documentário, é filha de Marília Andrade, herdeira da Andrade Gutierrez, afiliada ao PT desde 1997 e uma das principais colaboradoras físicas das campanhas bilionárias derrotadas de Haddad. No documentário, Petra confunde seu espectador querendo mostrar os pais como neutros da empreiteira, negando o fato de que os dois trabalharam lá e a mãe, acionista, recebe dividendos que sustentam o estilo de vida milionário da família e banca o hobby da menina rica.

O documentário serve como amostra de como vivem de distorcer a realidade as revolucionárias chiques, a esquerda caviar, as socialistas de iPhone. É incrível como Pietra nem fica corada em negar a ligação da sua fortuna com os governos nacionais. A certa altura do documentário Pietra, em voz off, diz: "Eu vejo que a história dessa crise, desse muro, atravessa minha família. De um lado, a elite da qual meus avós faziam parte, do outro a história dos meus pais e da esquerda que eles sonharam, que está desmoronando”. O pai de Pietra, Manoel Costa Junior, ex-deputado do PMDB, ex-guerrilheiro, foi secretário de Aécio Neves no governo de Minas Gerais, exonerado por irregularidades.

Democracia é mais uma tentativa - manipulação da mídia, facada e guerra cultural - de manter o status quo entre os idiotas úteis do mecanismo que "já sente a ferrugem lhe comer".

2 comentários:

Kamila Azevedo disse...

Acho que "Democracia em Vertigem" levanta algumas discussões interessantes. A Petra Costa, pra mim, não faz algo diferente do que o Michael Moore faz em seus documentários. Ela interfere diretamente no que ela gostaria de passar, assim como ele faz.

Anônimo disse...

MAIS UM FILME-FAKE ESQUERDOPÁTICO, COMO O FOI O DE WAGNER MOURA. NADA DISSO É ARTE DE UMA CINEASTA-FAKE QUE, INFELIZMENTE, MANCHA A IMAGEM DE NOSSA CLASSE CHAMANDO ESTE VÍDEO PANFLETÁRIO COMUNISTA DE FILME.