13 maio 2019

Cinema Italiano


O Cinema Italiano é Divino, ele busca, como diz a célebre frase de Fellini, ser sagrado em todos os frames. Seja na estátua pendurada no céu em A Doce Vida (1960), seja na freira santa de A Grande Beleza (2013).

O Cinema Italiano é o preferido do Museu do Cinema. Do clássico Roma: Cidade Aberta (1945) de Roberto Rossellini, ao maravilhoso A Grande Beleza de Paolo Sorrentino. Passando por (1963), de Fellini, e A Aventura (1960) de Antonioni. Nomes consagrados do cinema mundial como Martin Scorsese, Francis Ford Coppola, Brian De Palma e Quentin Tarantino (todos eles descendentes de italianos), foram fortemente influenciados por esse cinema como ficará claro no vídeo.

É claro que muito da cultura do país é levado às telas. E talvez seja isso que sublima o cinema italiano, mas você colocar na terra, na mesma geração, Michelangelo Antonioni e Federico Fellini, sombreados por um polêmico, mas talentoso Pier Paolo Pasolini, não ficará esquecido. Se Antonioni celebrava a perfeição das imagens, Fellini construía cenas mágicas através de seus sonhos.

Um comentário:

Kamila Azevedo disse...

Era justamente o que eu ia dizer, Cassiano: o cinema italiano é a cara do Museu do Cinema! :)