15 fevereiro 2019

Psicopatas do Cinema

Segundo o dicionário, psicopata é um indivíduo clinicamente perverso, que tem distúrbios mentais graves. Uma pessoa que sofre de uma condição que afeta a sua forma de interação social, muitas vezes se comportando de forma irregular e anti-social. A 7ª arte ajudou a explorar esse universo de várias maneiras, desenhando personalidades díspares, mas semelhantes em seu objetivo.

Dr. Hannibal Lecter, de Anthony Hopkins em O Silêncio dos Inocentes (1991), é o que tem mais aprofundamento psicológico, também pelo fato, dele próprio, ser um Psiquiatra. Ao contrário dos outros, é uma pessoa que tem relações sociais, até se afeiçoando, como foi com Clarice. Criado por Thomas Harris em 1981.

Anton Chigurh, de Javier Bardem em Onde os Fracos Não tem Vez (2007), possuía um senso egoísta. Se era para realizar determinada missão, não importava o que iria passar, mesmo que se prejudicasse, iria cumpri-la. Falta de humor e uma moeda completavam suas características, criada pelo escritor Cormac McCarthy.

Coringa, de Heath Ledger em Batman: Cavaleiro das Trevas (2008), traz pro mundo real a psicopatia de uma personagem dos quadrinhos. Com humor negro e uma dose de sarcasmo revelou-se o maior vilão enfrentado pelo Homem Morcego.

John Doe, de Kevin Spacey em Seven: Os Sete Crimes Capitais (1995), outro inteligente, devorador de livros e que planeja sua atividade psicopata com maestria. Frio e calculista.

Patrick Bateman, de Christian Bale em Psicopata Americano (2000), é rico, materialista, investidor financeiro de Wall Street, vida social agitada, e um ensandecido psicopata. Criado por Bret Easton Ellis.

Jack Torrence, de Jack Nicholson em O Iluminado (1980), um escritor com bloqueio criativo, que passa a perseguir a esposa e o filho dentro de um hotel abandonado no meio da neve. Criado por Stephen King, um Mestre nessa área.


Billy The Kid, de Sam Rockwell em A Espera de um Milagre (1999), também originário da cabeça de Stephen King, Billy é um psicopata que flerta com o humor e a inconsequência.


Norman Bates, de Anthony Perkins em Psicose (1960), traz as características e o diagnostico em si. Criado com a mãe, desenvolve o Transtorno Dissociativo de Identidade. Criado por Robert Bloch.


Mickey e Mallory Knox, de Woody Harrelson e Juliette Lewis em Assassinos por Natureza (1994), são os psicopatas da TV, gostam da carnificina, mas deixam sempre um sobrevivente para contar a história. Criado por Quentin Tarantino quando ainda trabalhava como atendente numa locadora de vídeos.

Um comentário:

Kamila Azevedo disse...

Cassiano, lista interessante e post mais bacana ainda. Gostei muito! :)