08 janeiro 2019

Melhores de 2018

Em 2018, a política tomou conta do cinema. Nos EUA, apesar de Trump ter avançado na economia, e na geração de emprego, Hollywood continua culpando o Presidente de todos os males da humanidade. No Brasil não foi muito diferente, a eleição presidencial foi mais importante que a copa do mundo (e isso é bom). Bolsonaro carrega agora em suas costas a responsabilidade de salvar um país que caiu do precipício, apesar dos atores globais achar o contrário.

Na Hungria, a política também trava batalhas contra o socialismo, mas Corpo e Alma explora os aspectos de uma paixão pouco provável entre uma inspetora tímida demais e um diretor mais maduro.

Na Republica Tcheca, o cineasta David Mrnka resolve trazer a luz a vida de Milada Horáková, uma politica e ativista social que conseguiu vencer o nazismo, mas não ultrapassou o comunismo. Em Milada, a vida dessa guerreira de importância mundial, fica registrada o passado tão autoritário de quem não aceita a liberdade de pensamento.

Na Inglaterra, o político mais amado da direita conservadora, Winston Churchill (a primeira entrevista do presidente eleito Bolsonaro foi numa mesa onde uma biografia dele estava a mostra), finalmente ganhou um filme a altura de sua pessoa. O Destino de uma Nação é uma obra-prima política que retrata os dias em que o mundo quase perdeu a eterna guerra entre socialismo e democracia.

Na Polônia, a política serve de pano de fundo, e principal antagonista, ao romance do músico com sua musa e cantora em Guerra Fria. O socialismo separou, por diversas vezes, esse romance baseado na vida de parentes do cineasta e roteirista, quando a Polônia vivia dividida entre o socialismo nazista e o socialismo comunista da Alemanha e Rússia por um pacto perverso chamado Molotov-Ribbentrop.

Nos Eua, eu dou um tempo na política para reverenciar um ídolo em seu esplendor. Paul Thomas Anderson, também a personalidade do ano no cinema, conseguiu, no seu oitavo filme longa-metragem, atingir o ápice dos grandes nomes da história da sétima arte. Trama Fantasma é uma junção excepcional de condução cinematográfica com direção de atores e roteiro perfeito.

Um comentário:

Kamila Azevedo disse...

Dos que você citou, só assisti a "O Destino de uma Nação", mas quero muito conferir, especialmente, "Milada", "Guerra Fria" e "Trama Fantasma".